BAHIA: Governo presente cuida da gente

Lula reafirma compromisso com responsabilidade fiscal e dólar cai

Lula reafirma compromisso com responsabilidade fiscal e dólar cai

O presidente Lula mudou o discurso e disse nesta quarta-feira que a responsabilidade fiscal é um compromisso de seu governo. Em seguida, a cotação da moeda americana registrou queda. O assunto foi destaque nos sites brasileiros, mas atraiu apenas a agência Reuters. Os sites latinos preferiram falar da Copa América.

O dólar registrou queda de 1,72% e voltou aos R$ 5,568 nesta quarta-feira, em meio a um movimento global de baixa da moeda americana que foi reforçado no Brasil por falas do presidente Lula e do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, sobre as contas públicas do país. Lula disse que gasta quando é necessário e que não joga dinheiro fora. Além disso, afirmou que responsabilidade fiscal é compromisso, não palavra.

“A responsabilidade fiscal não é apenas uma palavra, é um compromisso deste governo… e nós o cumpriremos à risca”, disse Lula no lançamento do Plano Safra da Agricultura Familiar. “Teremos uma política econômica que fará o país crescer, continuaremos a fazer transferências de renda e, ao mesmo tempo, manteremos a responsabilidade que sempre tivemos.”

A notícia da agência Reuters afirma que os ativos brasileiros sofreram uma queda nas últimas semanas, pois os mercados temem a deterioração fiscal em meio à relutância do governo em cortar gastos, o que levantou dúvidas sobre a possibilidade de atingir sua meta de eliminar o déficit primário este ano. Mas nesta quarta-feira o dólar mudou de rota após a fala de Lula e no aguardo do resultado de reunião entre Lula, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e outras autoridades do governo para discutir os recentes movimentos cambiais. De acordo com os traders, qualquer sinal de que Lula possa se conter nos comentários sobre o que ele chama de movimentos cambiais “especulativos” ou em suas críticas ao banco central teria um impacto positivo sobre o real. (Reuters)

MILEI – BOLSONARO

O presidente de direita da Argentina, Javier Milei, reiterou as críticas ao seu colega brasileiro de esquerda, Luiz Inácio Lula da Silva. Milei ampliou o confronto público antes de uma viagem planejada ao Brasil. Em uma postagem intitulada “dinossauro perfeitamente idiota”, Milei defendeu suas críticas anteriores a Lula como “corrupto”, por ser comunista, e o que ele chamou de “interferência” na campanha eleitoral argentina de 2023. Na postagem, Milei não especifica o nome de quem ele está chamando de dinossauro. Lula disse na semana passada que Milei deve a ele e aos brasileiros um pedido de desculpas. O Planalto não comentou e o Ministério das Relações Exteriores do Brasil não respondeu. A guerra de palavras ocorre antes de uma viagem de Milei ao Brasil para ver Bolsonaro. (Reuters, na terça, 02/07)

Com mais ironia, o Guardian também trata da vinda de Milei ao Brasil, que chama de “showman”. Durante a campanha eleitoral, Milei exibiu uma motosserra para destacar os planos de cortes de gastos ferozes. No cargo, o direitista aparentemente decidiu levar a ferramenta elétrica também para as relações exteriores. Nos últimos dias, Milei tem se ocupado em perder amigos e alienar pessoas com uma série de ataques verbais aos líderes de esquerda, Bolívia e Brasil. Os laços entre Buenos Aires e Brasília tendem a se deteriorar ainda mais nos próximos dias, em meio a relatos de que Milei, um populista que admira Donald Trump e é conhecido como El Loco (O Louco), fará sua primeira viagem ao Brasil como presidente neste fim de semana. Mas, em vez de manter conversas francas com o presidente Lula, Milei deve se encontrar com o ex-presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro, em um congresso de direita em Balneário Camboriú, um reduto de Bolsonaro no sul do Brasil.

Veja Também:  Lula sobre eleição nos EUA: ‘A relação do Brasil será com quem for eleito’

O governo brasileiro admitiu hoje que ainda não foi informado sobre a visita de Milei. “O Brasil não recebeu nenhuma comunicação oficial sobre a visita”, disse a secretária para a América Latina e Caribe do Ministério das Relações Exteriores, Gisela Padovan. (Prensa Latina)

G20 NO BRASIL

O Brasil, anfitrião das reuniões do Grupo dos 20 deste ano, espera chegar a um consenso simples quando os líderes dos países membros se reunirem no Rio de Janeiro em novembro, em uma tentativa de evitar o fracasso das negociações devido a divergências entre as grandes potências. Faltando menos de cinco meses para a reunião, as crescentes tensões – principalmente entre Washington e seus aliados mais próximos, de um lado, e Pequim e Moscou, de outro – ameaçam atrapalhar a reunião anual das nações que, juntas, respondem por mais de 85% da produção econômica global. Lucas Padilha, chefe de gabinete do Rio de Janeiro e coordenador da cidade para a cúpula, disse que o objetivo do Brasil é criar uma declaração do G20 “certamente estruturada de forma diferente dos anos anteriores”, convidando organizações que representam o meio ambiente e outros interesses cívicos para discutir questões urgentes com os “sherpas”, como são chamados os negociadores de cada país. (South China Morning Post)

FACEBOOK

O Brasil impediu a empresa Meta (Facebook, Instagram) de usar as postagens de brasileiros no Instagram e no Facebook para treinar seus modelos de inteligência artificial (IA). Isso ocorre semanas depois que a empresa abandonou planos semelhantes de usar publicações de usuários do Reino Unido e da Europa para o mesmo fim. Na terça-feira, a Agência Nacional de Proteção de Dados (ANPD) do Brasil suspendeu a política de privacidade mais recente da Meta, que permite treinar modelos de IA generativos, como chatbots, com base nas postagens de seus usuários. Um porta-voz da Meta disse à BBC que a empresa estava “decepcionada com a decisão”, acrescentando que sua abordagem estava em conformidade com as leis de privacidade locais.

IMIGRANTES

O britânico Independent traz reportagem especial sobre imigrantes que permanecem no Brasil porque não conseguem ir aos Estados Unidos em função das novas regras de imigração. Johany “Flaca” Rodríguez, 48 anos, estava pronta para deixar para trás as dificuldades da vida na Venezuela. Ela está esperando no abrigo para 45 pessoas em Assis Brasil, uma cidade de 7.000 habitantes que faz fronteira com o Peru, porque outras pessoas lhe disseram como a jornada para os EUA se tornou difícil. Migrantes, policiais, autoridades e analistas dizem que as ações de Biden causaram uma atitude de “esperar para ver” entre os imigrantes que estão no Brasil, pelo menos por enquanto. Como em qualquer lugar ao longo das rotas dos imigrantes em direção à esperada vida nova, as comunidades locais estão encontrando dificuldades para atender às necessidades das novas populações.

BRASIL X URUGUAI

No noticiário dos países vizinhos, o destaque foi o empate da seleção brasileira de futebol com a Colômbia na Copa América e o próximo jogo do Brasil x Uruguai no sábado, 6.

No destaque, Lula e Haddad / Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

Tagged: , , , ,