Imagem 1

Programas 7 a 14 de abril

Programas 7 a 14 de abril

* “Sessenta primaveras no inverno” de Aimée de Jongh e Ingrid Chabbert * “O congresso dos desaparecidos” de Bernardo Kucinski * “Bourbon Festival Paraty” nos dias 14, 15 e 16 de abril * E muito mais…

* Viralizou na internet, recentemente, um vídeo com três estudantes universitárias debochando de uma colega de 45 anos de idade. As moças alegavam que a aluna já deveria estar aposentada; não era jovem o bastante para frequentar uma faculdade. 

* O etarismo, cada vez mais frequente em uma sociedade desinformada como a nossa, que por sinal está envelhecendo aceleradamente, é um dos assuntos do livro Sessenta primaveras no inverno.  As autoras desse road livro saboroso são Aimée de Jongh e Ingrid Chabbert (Ed. Alameda) que falam sobre sexualidade e mudanças de vida após os 60 anos.

* As meninas devem aprender o que é um sopro de liberdade como está contido nesse livro e lê-lo durante as semanas em que Patricia Linares, de Bauru, a ex-colega mais idosa, estiver na Inglaterra estudando inglês. Ela foi convidada, à guisa de reparação pelas hostilidades e grosserias, para fazer uma bolsa universitária no Reino Unido.

* Sessão dia 15 de abril, sábado, às 21h, do primeiro episódio da série O Poeta Que Veio do Povo, documentário sobre a vida e a obra de Patativa do Assaré na faixa de programas Meu Brasil brasileiro do canal CineBrasil TV.  Lá estão os poemas sociais ou líricos, e a grande contribuição à literatura e à cultura brasileira do poeta de Triste Partida, de 1964, célebre poema musicado por Luiz Gonzaga, estão todos lá.

* Na esteira da retomada cultural no país, o audiovisual brasileiro vive novamente um momento de efervescência. Discussões sobre financiamento privado e público, Lei Paulo Gustavo, Lei Rouanet e Aldir Blanc, regulação do vídeo on demand e direitos dos autores são temas de debates assim como o aumento das produções para streaming e cinema, e das co-produções internacionais. Tudo isso estará em pauta na edição deste ano do Rio2C, um encontro de criatividade de latino-americanos que acontece na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro, de 11 a 16 de abril reunindo executivos de estúdios, streamings e TVs, e representantes do setor público.

* No Rio2C, dia 12, a Ministra da Cultura, Margareth Menezes falará sobre ações prioritárias do ministério que está de volta, e sobre a retomada do investimento no setor cultural.

* Sairá em maio o livro Janja – a militante que se tornou primeira-dama (Ed. Máquina de Livros) de autoria dos jornalistas Ciça Guedes e Murilo Fiúza de Melo. Também é de autoria da dupla Todas as mulheres dos presidentes, que conta a história de 34 primeiras-damas brasileiras. 

* Grande programa: a Cinemateca Brasileira de São Paulo, em conjunto com a Embaixada da França no Brasil, promove homenagem a Jean-Luc Godard, falecido há pouco. Na programação, o primeiro longa-metragem de Godard, Acossado, de 1960, considerado manifesto estético da Nouvelle Vague e 13º lugar na lista dos 100 melhores filmes de todos os tempos da revista Sight and Sound e do British Film Institute.  

* Pérolas clássicas de Godard, como O Desprezo, O Demônio das Onze Horas (Pierrot le Fou) e Acossado (À bout de souffle) estarão na Sala Grande Otelo da Cinemateca até sábado, dia 8. E está sendo aguardado para o Festival de Cannes deste ano (de 16 a 27 de maio) o último filme de 20 minutos realizado pelo emblemático diretor, Funny Wars, em fase de finalização por Fabrice Aragno e Jean-Paul Battagia.

* Teremos mais Godard no Festival É Tudo Verdade, início no dia 13 deste mês, no Rio e em São Paulo. E no Visions du Réel, de 21 a 30 de abril em Nyon, na Suiça, onde Godard viveu a infância e a primeira juventude antes de ir para Paris estudar Etnologia na Sorbonne. Suicidou-se na Suiça.

* O congresso dos desaparecidos, de Bernardo Kucinski, recém lançado. O texto de apresentação é de Marcio Seligman Silva: “Desde a publicação de seu romance, hoje já um clássico, K. – Relato de uma Busca, em 2011, (NR: o autor) tem lançado a cada par de anos uma nova produção literária. Seus livros orbitam em torno do “buraco negro” da memória da ditadura civil-militar de 1964-1985. Trata-se, portanto de um projeto literário sólido que se volta contra as políticas de esquecimento e de memoricídio tão fecundas neste país”.

* ”O congresso dos desaparecidos, que agora vem à luz”, escreve Seligman, ”é uma obra desconcertante em muitos sentidos. Primeiro, por ter como personagens exclusivamente vítimas do desaparecimento como prática de terrorismo de Estado. Essa prática, amplamente utilizada nas ditaduras latino-americanas do século XX, no entanto, é apresentada por Kucinski no contexto da Colonialidade: desde que o Brasil foi criado praticou-se e se pratica o desaparecimento dos considerados indesejados pelos donos do poder”.

* Ainda há rastros de um mundo pré-pandemia no qual o programa dos cinéfilos era assistir filmes nas telonas dos cinemas ou alugá-los em videoclubes. Na Zona Sul do Rio de Janeiro, dois deles ainda funcionam e têm uma legião de clientes apaixonados.

* Um deles é o Espaço Cultural Cavideo, no cinema Estação NetRio. Loja de cinema com DVDs, blurays, livros, trilhas de filmes, posters, fotos e miudezas ligadas à arte cinematográfica, segue o seu próprio modelo de outra loja de cinema localizada nas Casas Casadas, em Laranjeiras. Outro videoclube é o Storm, de José Carlos Menezes, na Galeria Castelinho, entre Copacabana e Ipanema, na Rua Gomes Carneiro. Ambos têm um acervo de filmes preciosos.

* Palestra com o tema Ouvir e Meditação, amanhã, dia 7. E  a partir dessa data, visitação da Mandala de Areia criada pelo Lama Losang Samten na Tibet Brasil, Alameda Lorena, em São Paulo, onde as reservas devem ser feitas.

* Pela décimo terceiro ano será realizado o Bourbon Festival  Paraty nos dias 14, 15 e 16 de abril com apresentações gratuitas de jazz  em palcos espalhados pelo centro histórico da cidade. Apresentam-se Ivan Lins, Hermeto Pascoal, Ana Cañas, Jane Monheit, Kevin Gullage, Diunna Greenleaf entre outros. Programa excelente para os jazzófilos. 

* Programa cult ao qual se deve prestar atenção: assistir ao filme vencedor do L’Oeil d’Or de Melhor Documentário no Festival de Cannes de 2021 da diretora Payal Kapadia que está disponível na plataforma Filmicca. Trata-se da história de uma estudante universitária indiana escrevendo cartas para o amante que está fora. Através dessas cartas, o vislumbre das mudanças drásticas que ocorrem no seu país. A narrativa poética funde realidade, ficção, sonhos, memórias e fantasias.

(L.M.A.R.)

As informações acima são fornecidas por editoras, produtoras e exibidoras.

Tagged:

Leave comment