BAHIA: Governo presente cuida da gente

Em dois meses de Milei, pobreza deu salto e atinge 57,4% na Argentina

Em dois meses de Milei, pobreza deu salto e atinge 57,4% na Argentina

Página 12

A desvalorização e a disparada inflacionária do governo de Javier Milei levaram, em apenas dois meses, o nível de pobreza a 57,4% em janeiro, em comparação com os 44,7% alcançados no terceiro trimestre de 2023. De acordo com a análise do Observatório Social da Universidade Católica, 27 milhões de pessoas estão em situação de pobreza. O observatório é o principal centro de estudos privado especializado na medição desses indicadores na Argentina.

A desvalorização da moeda e a escalada descontrolada dos preços dos produtos básicos prejudicaram a capacidade de compra das camadas médias, que rapidamente contribuíram para as dramáticas estatísticas de pobreza na Argentina.

Assim, nos dois primeiros meses do governo de Javier Milei, houve uma queda tão acentuada na capacidade de compra que milhões de pessoas caíram na pobreza.

Estima-se que quase 27 milhões de pessoas estejam nessa condição, levantando muitas dúvidas sobre se as supostas vantagens do fenomenal ajuste poderão compensar um deterioramento socioeconômico recorde.

O Observatório Social da UCA projeta que a população em situação de indigência passou de 9,6% no terceiro trimestre de 2023 para 14,2% em dezembro de 2023 e 15% em janeiro de 2024.

E o nível de pobreza aumentou de 44,7% observado no terceiro trimestre de 2023 para 49,5% em dezembro e 57,4% em janeiro.

Esses dados estão incluídos no Relatório “Estimativa dos efeitos do Impacto Inflacionário pós-desvalorização. Cenário até dezembro de 2023 e janeiro de 2024”.

O percentual de 57,4% é o mais alto da série iniciada em 2004, quando foi de 54%.

Projetando para todo o país, haveria quase 27 milhões de pessoas em situação de pobreza, das quais 7 milhões seriam indigentes.

Analistas concordam que esses indicadores sociais devem ter retrocedido ainda mais em fevereiro, pois os benefícios de aposentadorias e pensões permaneceram inalterados em relação a dezembro e janeiro, não houve até agora atualização do salário mínimo ou do auxílio-desemprego, ocorreram aumentos salariais em muito poucos sindicatos e a queda na atividade econômica se agravou, com uma diminuição nos níveis de emprego.

Por outro lado, houve aumentos nas tarifas de transporte de passageiros e os preços da carne voltaram a subir.

O Relatório da UCA explica que as projeções de pobreza para dezembro de 2023 e janeiro de 2024 foram feitas ajustando os renda do trabalho e não trabalho para o terceiro trimestre de 2023, com base nas variações reais nos salários e nas modificações nos programas de renda e transferências de renda.

Veja Também:  Revoluções socialistas com governos militarizados

Por sua vez, as cestas de consumo foram atualizadas com base na variação dos valores correspondentes ao aumento das mesmas, de acordo com estimativas do INDEC (Instituto Nacional de Estatística e Censos da República Argentina)

Ao considerar apenas os lares que recebem ajuda social, o nível de indigência no terceiro trimestre de 2023 estava em 19,7% das pessoas; em dezembro, aumentou para 28,8% e, em janeiro, diminuiu para 23,8%, como resultado das políticas compensatórias, como o aumento do valor da AUH (subsídio para crianças) e do cartão alimentação.

Enquanto isso, aqueles que vivem em lares beneficiários de planos sociais apresentaram um nível de pobreza de 76,5% no terceiro trimestre de 2023, 81,9% em dezembro de 2023 e 85,5% em janeiro de 2024.

Em janeiro, na Região Metropolitana, a cesta de pobreza para um adulto foi de $193.146 e para uma família média de $596.823, sem considerar o aluguel.

O Relatório da UCA explica que “para ponderar o agravamento da situação social, foram realizados dois exercícios de simulação com base nos ajustes aplicados aos microdados da EDSA (Pesquisa de Dívida Social Argentina) do terceiro trimestre de 2023”.

“O primeiro recalcula o nível de indigência e pobreza na situação de aumento das cestas e atualização dos rendimentos do trabalho e não do trabalho de dezembro de 2023. O segundo dos exercícios reproduz a situação de custos de cestas e rendimentos do trabalho e não do trabalho dos lares de janeiro de 2024”, afirma.

Martín Rozados, diretor de Mestrado em Econometria da Universidade Di Tella, projetou uma taxa de pobreza de 46,8% para janeiro, equivalente a 21,8 milhões de pessoas em nível nacional. Segundo suas estimativas, que utilizam uma metodologia com base nos microdados do INDEC, ao contrário da UCA que projeta com base em uma pesquisa própria, a pobreza aumentou de 38,5% no terceiro trimestre do ano passado para 46,3% no quarto trimestre de 2023 e 46,8% em janeiro.

O último dado oficial do INDEC, correspondente ao primeiro semestre de 2023, indicou uma taxa de pobreza de 40,1%. A situação em dezembro será divulgada apenas em 27 de março.

Tradução de reportagem publicada pelo jornal argentino ”Página 12” em 18 de fevereiro de 2024

Tagged: , , , ,

Leave comment