BAHIA: Governo presente cuida da gente

ONU saúda trégua em Gaza

ONU saúda trégua em Gaza

Trégua de 96 horas, acordada entre Israel e o movimento palestino Hamas, começa nesta quinta-feira, dia 23 de novembro, na Faixa de Gaza, destruída por 48 dias de guerra…

POR CORRESPONDENTE IPS

NAÇÕES UNIDAS – O Secretário-Geral das Nações Unidas , Antônio Guterres, saudou a “pausa humanitária” na guerra que ocorre na Faixa de Gaza, acordada entre Israel e o movimento palestino Hamas, e ofereceu colaboração para “maximizar” o impacto positivo do acordo.

“Este é um passo importante na direção certa, mas é preciso fazer muito mais”, disse num comunicado apresentado pelo seu porta-voz Farhan Haq.

O principal responsável da ONU encarregado dos esforços para uma paz duradoura no Oriente Médio, Tor Wennesland, também saudou a trégua de 96 horas que começa nesta quinta-feira, dia 23, na faixa destruída por 48 dias de guerra.

“Esta pausa deve ser aproveitada ao máximo para facilitar a libertação dos reféns (capturados pelo Hamas ao invadirem o solo israelita em 7 de outubro) e aliviar as terríveis necessidades dos palestinos em Gaza”, bombardeada incessantemente por Israel, disse Wennesland.

O acordo prevê um cessar-fogo de quatro dias, extensível a cinco, e o Hamas libertará 50 reféns das cerca de 240 pessoas que raptou, das quais 30 são crianças e adolescentes, e 20 mulheres, das quais oito são mães.

Em troca, Israel libertará 150 – menores e mulheres – dos 8.000 prisioneiros palestinos que mantêm em suas prisões, e as trocas serão feitas em fases e grupos.

O acordo inclui a entrada pela passagem de Rafah – fronteira de Gaza com o Egito – de centenas de caminhões com ajuda à população da Faixa.

Wennesland reconheceu os esforços dos governos do Egito, Qatar e dos Estados Unidos para facilitar o acordo.

Os trabalhadores das agências humanitárias da ONU reiteraram que continuam dispostos a aproveitar a oportunidade para aumentar a ajuda no enclave sobrelotado, de 365 quilômetros quadrados e 2,3 milhões de habitantes.

“Não podemos continuar a fornecer ajuda a Gaza num oceano de necessidades. Os combates devem parar para podermos ampliar rapidamente a nossa resposta”, afirmou Ahmed Al-Mandhari, diretor regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o Mediterrâneo Oriental.

A OMS informou que uma nova evacuação estava sendo realizada no hospital sitiado Al-Shifa, na cidade de Gaza – de onde já foram retirados 31 bebês prematuros que lutam por suas vidas em incubadoras – e que mais evacuações seriam realizadas no norte da Faixa.

Al-Mandhari observou um minuto de silêncio em homenagem à funcionária da OMS, Dima Alhaj, assassinada em Gaza juntamente com o seu bebê de seis meses, o marido e dois irmãos.

Ele disse que “enquanto lamentamos, lembramos a natureza sem sentido deste conflito e que, hoje em Gaza, nenhum lugar é seguro para os civis, incluindo os nossos próprios colegas da ONU”.

Desde o início da retaliação de Israel aos massacres do Hamas de 7 de Outubro, que deixaram 1.200 mortos e cerca de 240 reféns raptados, 108 funcionários da ONU foram mortos na Faixa.

Em Gaza, conforme o Ministério da Saúde gerido pelo Hamas, 13.300 pessoas morreram, incluindo 5.600 crianças e 3.550 mulheres, mais de 31.000 ficaram feridas e cerca de 6.500 pessoas estão desaparecidas, muitas delas presumivelmente sob os escombros de edifícios destruídos por bombardeamentos.

Veja Também:  Cuba propõe novas leis sobre migração, estrangeiros e cidadania

O conflito também causou a morte de 53 trabalhadores da mídia, segundo o Comitê Americano para a Proteção dos Jornalistas.

As agências da ONU também relatam que mais de 1,5 milhões de habitantes de Gaza tiveram de fugir das suas casas, e que pelo menos metade deles procurou abrigo em instalações sobrelotadas, como hospitais, escolas e outros centros de refúgio.

Al-Mandhari lamentou que nem mesmo os hospitais estejam protegidos dos horrores do conflito em Gaza. A OMS documentou 178 ataques aos cuidados de saúde na Faixa desde 7 de outubro. Dos 36 hospitais do enclave, 28 já não funcionam.

Segundo o Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA), os caminhões de ajuda que entraram em Gaza desde 21 de Outubro representam apenas 14% do volume mensal de transporte humanitário e comercial que chegou ao enclave antes do início das operações.

Isto exclui o combustível, que até há poucos dias era completamente proibido pelas autoridades israelitas, sob o argumento de que o Hamas o utiliza para ativar os seus dispositivos de ataque contra Israel.

O OCHA disse que na terça-feira, dia 21, 63.800 litros de combustível entraram em Gaza vindos do Egito, na sequência de uma decisão israelita de 18 de novembro de “permitir a entrada diária de pequenas quantidades de combustível para operações humanitárias essenciais”.

O combustível é necessário para o funcionamento de centrais elétricas hospitalares, máquinas de dessalinização para fornecer água potável, para a movimentação de ambulâncias, para o funcionamento de padarias e outros serviços.

A notícia do acordo de cessar-fogo surgiu em meio a temores de que a fome se espalhasse no norte da Faixa, isolada do sul pelos militares israelenses.

Devido à falta de equipamentos para cozinhar e de combustível, “as pessoas recorrem ao consumo dos poucos vegetais crus ou frutos verdes que permanecem ao seu alcance”, os poucos animais também enfrentam o risco de morte e as colheitas estão se tornando cada vez mais fracas e abandonadas.

OCHA disse que a angústia causada pelos constantes bombardeamentos, deslocamentos e superlotação maciça nos abrigos – alguns dos quais têm um banheiro para 400 pessoas – tem causado um forte impacto psicológico nos habitantes de Gaza.

As necessidades de saúde mental “estão disparando”, especialmente para os mais vulneráveis: crianças, pessoas com deficiência e pessoas com condições pré-existentes complexas. O movimento de crianças não acompanhadas e de famílias separadas também aumentou.

Artigo publicado originalmente na Inter Press Service.


Os palestinos se deslocam em massa do norte para o sul da Faixa de Gaza, para fugir dos combates mais ferozes entre as forças israelitas e o movimento islâmico Hamas. As agências das Nações Unidas esperam aumentar a sua assistência a essa população durante os quatro dias de trégua. Imagem: Ashraf Amra/Unrwa.

Tagged:

Leave comment