Assassinatos gerados pelo Estado atingem recordes

Assassinatos gerados pelo Estado atingem recordes

O ano de 2022 registrou o maior número de execuções judiciais em todo o mundo desde 2017, aponta Estudo da Anistia Internacional (AI). Houve notícias da execução documentada de 883 pessoas em 20 países, um aumento de 53% em relação a 2021.

Foto: Ministros liberianos depostos são baleados por um pelotão de fuzilamento liberiano, em abril de 1980, em uma praia de Monróvia, após um golpe militar. (Fotos históricas raras)

POR THALIF DEEN

NAÇÕES UNIDAS – Quando o Talibã tomou o poder pela primeira vez em 1996, um de seus primeiros atos políticos foi enforcar o ex-presidente afegão Mohammed Najibullah na Praça Ariana, em Cabul.

Em 15 de agosto de 2021, ao retomar o poder, o Talibã derrubou o governo de Ashraf Ghani, ex-funcionário do Banco Mundial e doutor em antropologia por uma das oito instituições de ensino mais prestigiadas dos Estados Unidos: a Universidade de Columbia.

Em uma postagem no Facebook, Ghani disse que fugiu para Dubai, nos Emirados Árabes, buscando refúgio, porque “seria enforcado” pelo Talibã. Se assim fosse, o Talibã teria conquistado a duvidosa honra de ser o único governo do mundo a enforcar dois presidentes.

Felizmente, não aconteceu assim.  Ghani, no entanto, nega que tenha fugido do palácio presidencial levando várias malas com milhões de dólares roubados do tesouro do país.

Em 12 de abril de 1980, Samuel Doe liderou um golpe militar na Libéria e assassinou o presidente William Tolbert na mansão executiva.

O país africano da costa oeste foi fundado por ex-escravos afro-americanos emancipados e sua capital recebeu o nome do quinto presidente dos Estados Unidos, James Monroe.

Todos os membros do gabinete de Tolbert desfilaram nus, em público, fizeram fila em uma praia da capital e ali foram fuzilados. Segundo informações da BBC britânica, em 13 de abril, “os 13 altos funcionários do governo deposto da Libéria foram executados publicamente por ordem do novo regime militar”.

Entre os executados, além dos ministros depostos, estava o irmão mais velho do presidente. Eles foram amarrados a estacas em uma praia perto do quartel do exército em Monróvia e baleados, disse a BBC.

“Jornalistas levados ao quartel para testemunhar as execuções disseram que foram cruéis e desordeiros”.

Mesmo agora estão aumentando os assassinatos patrocinados pelo Estado em alguns países.

Em um novo estudo publicado em 16 de maio, a organização de direitos humanos Anistia Internacional (AI) aponta que o ano de 2022 registrou o maior número de execuções judiciais em todo o mundo desde 2017.

A lista inclui 81 pessoas executadas em um único dia na Arábia Saudita e 20 outros países conhecidos por realizarem execuções. A AI acusa o Oriente Médio e o Norte da África de realizar “assassinatos expressos”, ao mesmo tempo em que aplaude o fato de seis países terem abolido total ou parcialmente a pena de morte.

Houve notícias da execução documentada de 883 pessoas em 20 países, o que representa um aumento de 53% em relação a 2021.

Esse aumento nas execuções (que não inclui milhares que teriam ocorrido na China no ano passado) foi liderado por países do Oriente Médio e do Norte da África, onde os números saltaram de 520 em 2021 para 825 em 2022.

Outros países que aplicam a pena de morte são Irã, Mianmar, China, Coreia do Norte, Vietnã, Estados Unidos e Cingapura.

Simon Adams, presidente e CEO do Centro para Vítimas de Tortura, a maior organização internacional que trata sobreviventes de tortura e defende seu fim em todo o mundo, disse à IPS: “Quando você remove a pompa e a cerimônia judicial, a pena de morte nada mais é do que um frio assassinato, calculado e patrocinado pelo Estado”.

Em sua opinião, ela viola o direito humano universal à vida e constitui claramente uma punição cruel, degradante e inusitada. “Embora um número sem precedentes de estados em todo o mundo considere a pena capital uma prática ultrapassada e regressiva, é verdade que as execuções estão aumentando em alguns estados repressivos”, disse ele.

Adams deu como exemplo a resposta do regime teocrático às manifestações massivas realizadas no Irã sob o lema “mulheres, vida, liberdade”, após a morte de uma jovem presa por usar mal o véu. Eles usaram o enforcamento tanto como punição quanto como ferramenta para impor o controle social, executando manifestantes, dissidentes políticos e minorias “problemáticas”.

Recordou ainda a reintrodução do enforcamento em Mianmar, por parte de generais que não conseguiram eliminar a oposição generalizada ao regime militar imposto após o golpe de 2021.

“Mas se a história nos ensina alguma coisa, é que os estados podem executar prisioneiros políticos, mas não podem matar suas ideias”, disse Adams.

Em sua opinião, “é moralmente condenável” que dois Estados membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, a China e os Estados Unidos, “estejam entre os carrascos mais prolíficos do mundo de seu próprio povo”.

“É hora de os Estados Unidos e a China se juntarem aos 125 estados-membros da ONU que pediram publicamente uma moratória sobre a pena de morte”, declarou Adams.

Em alguns países, a forma brutal como a pena de morte é imposta pode não só significar uma punição cruel, degradante e incomum, mas também uma tortura.

“O fato de que enforcamento público, decapitação, eletrocussão, apedrejamento e outras práticas bárbaras continuam a existir no século 21 deveria envergonhar toda a humanidade”, disse ele.

Você pode ler a versão em inglês deste artigo aqui.

Sobre o papel da Organização das Nações Unidas, Adams considerou que “a ONU deveria, sem dúvida, desempenhar um papel mais ativo na promoção da abolição global da pena de morte”.

Agnes Callamard, secretário-geral da Anistia Internacional, afirmou que os países da região do Oriente Médio e Norte da África violaram o direito internacional ao aumentar as execuções em 2022, revelando “um desrespeito insensível pela vida humana”.

“O número de pessoas privadas de vida aumentou dramaticamente em toda a região. A Arábia Saudita executou 81 pessoas em um único dia. Mais recentemente, em uma tentativa desesperada de reprimir a revolta popular, o Irã executou as pessoas simplesmente por elas exercerem seu direito de protestar.”

É especialmente preocupante que apenas três países da região tenham realizado 90% das execuções conhecidas fora da China.

As execuções registradas no Irã dispararam de 314 em 2021 para 576 em 2022. Na Arábia Saudita os números triplicaram, de 65 em 2021 para 196 em 2022, o maior número registrado pela Anistia em 30 anos. Enquanto isso, no Egito, 24 pessoas foram executadas.

De acordo com a AI, o uso da pena de morte permaneceu envolto em segredo em vários países, incluindo China, Coréia do Norte e Vietnã, que são conhecidos por fazer uso extensivo da pena de morte.

Por esta razão, o número real de execuções da pena de morte no mundo é significativamente maior do que o documentado.

Apesar do número desconhecido na China, por exemplo, é claro que este país continua sendo o carrasco mais prolífico do mundo, à frente de Irã, Arábia Saudita, Egito e Estados Unidos.

Por seu lado, o secretário-geral da ONU, António Guterres , crítico da pena de morte, condenou “fortemente” as execuções perpetradas em julho passado pelo exército de Mianmar contra quatro ativistas políticos do país: Phyo Zeya Thaw , Kyaw Min Yu (Ko Jimmy), Hla mio Aung e Aung thura Zaw , e deu suas condolências diretamente às suas famílias.

Guterres “se opõe à imposição da pena de morte sob quaisquer circunstâncias”, disse seu porta-voz na época. “Essas execuções, as primeiras realizadas em Mianmar desde 1988, marcam uma nova deterioração na já terrível situação dos direitos humanos em Mianmar”, acrescentou.

Em seus relatórios, o Secretário-Geral confirma a tendência à abolição universal da pena de morte e destaca as iniciativas que limitam seu uso e aplicam as salvaguardas que garantem a proteção dos direitos dos condenados à morte.

Enquanto isso, a AI afirma haver um vislumbre de esperança, já que seis países aboliram a pena de morte total ou parcialmente no ano passado: Cazaquistão, Papua Nova Guiné, República Centro-Africana e Serra Leoa aboliram a pena de morte para todos os crimes, enquanto Guiné Equatorial e Zâmbia o fizeram apenas para crimes comuns.

Em dezembro de 2022, 112 países haviam abolido a pena de morte para todos os crimes e nove apenas para crimes comuns.

O ímpeto positivo continuou quando a Libéria e o Gana adotaram medidas legislativas para abolir a pena de morte, enquanto as autoridades do Sri Lanka e das Maldivas se comprometeram a não recorrer ao uso de sentenças de morte. Projetos de lei para abolir a pena de morte obrigatória também foram apresentados no parlamento da Malásia.

“Enquanto muitos países continuam a relegar a pena de morte para a lata de lixo da história, é hora de outros seguirem o exemplo. As ações brutais de países como Irã e Arábia Saudita, assim como China, Coreia do Norte e Vietnã, agora são minoria. Esses países precisam urgentemente recuperar o atraso, proteger os direitos humanos e aplicar a justiça em vez das pessoas”, disse Callamard.

O principal funcionário da AI insistiu que “com 125 estados-membros da ONU – mais do que nunca – pedindo uma moratória nas execuções, a AI diz que nunca teve tanta esperança de que essa punição abominável possa e seja relegada aos anais da história, mas os números trágicos de 2022 nos lembram que não podemos descansar sobre os louros. Continuaremos em campanha até que a pena de morte seja abolida em todo o mundo”, concluiu.

Artigo publicado na Inter Press Service:

Tagged: ,

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.