Chile: o clã Edwards e o 50º aniversário do golpe

Chile: o clã Edwards e o 50º aniversário do golpe

Jornalista Peter Kornbluh lança “Pinochet desclasificado: Los archivos secretos de Estados Unidos sobre Chile” (Editora Catalonia, 2023) revelando detalhes do encontro entre o dono do “El Mercurio”, Nixon e Kissinger em 15 de setembro de 1970, além das ações secretas da CIA no país.

SANTIAGO – No período que antecede a comemoração do sangrento golpe de Estado que, em 11 de setembro de 1973, derrubou o governo constitucional de Salvador Allende no Chile, surgem novos precedentes sobre o papel de Agustín Edwards Eastman como principal interlocutor e aliado de Richard Nixon e Henry Kissinger na desestabilização e destruição da considerada até então a democracia mais estável da América Latina.

Peter Kornbluh, jornalista e diretor do Arquivo de Segurança Nacional, entidade sem fins lucrativos que solicita a desclassificação de documentos oficiais dos Estados Unidos, divulgou a versão atualizada de seu livro, Pinochet desclasificado: Los archivos secretos de Estados Unidos sobre Chile (Editora Catalonia, 2023),[com base nos] arquivos secretos dos Estados Unidos sobre o Chile, onde pela primeira vez é revelado o encontro que Edwards, chefe do clã cuja empresa-mãe é o jornal El Mercurio, manteve com Nixon e Kissinger em 15 de setembro de 1970; e as ações secretas da CIA (Agência Central de Inteligência) no país sul-americano.

Naquela época, os esforços de Edwards e da direita no Chile foram orientados para impedir o entendimento da Unidade Popular (UP) com a Democracia Cristã (DC), para que o Parlamento ratificasse a eleição do presidente de Allende, vencedor por maioria nas eleições de 4 de setembro, onde derrotou o conservador Jorge Alessandri.

O primeiro resultado dos acordos do dono do El Mercurio com Nixon e Kissinger e das manobras da CIA foi o ataque de 22 de outubro contra o comandante-em-chefe do Exército René Schneider, sob as ordens do general aposentado Robert Viaux. Pretendia-se criar o caos para permitir uma reação militar que conduzisse a um golpe de Estado, liderado por outro general, Camilo Valenzuela. Schneider faleceu em 25 de outubro, um dia depois de todo o Congresso ter ratificado Allende como presidente. A manobra sediciosa fracassou porque a maioria do alto comando das Forças Armadas permaneceu fiel à Constituição, especialmente o general Carlos Prats, o novo comandante, ele próprio assassinado em 30 de setembro de 1974, em Buenos Aires, pela polícia secreta do ditador Augusto Pinochet.

Tudo isto é história conhecida, mas o maior mérito do livro de Kornbluh reside na divulgação da ligação direta de Agustín Edwards com Richard Nixon, que o investigador norte-americano revelou ao aceder à desclassificação da Agenda Interna da Casa Branca, não considerada até agora, [onde estavam os] documentos sobre a estratégia que o governo dos EUA lançou para evitar a “ameaça de uma nova Cuba” na América Latina, através do “caminho chileno para o socialismo” proposto por Allende e pela Unidade Popular, a coligação de partidos marxistas, social-democratas de esquerda e cristãos.

O presidente Nixon, Kissinger, o seu conselheiro de Segurança Nacional, e o diretor da CIA, Richard Helms, foram a troika de interlocução privilegiada de Edwards, que permaneceu nos Estados Unidos de 1970 a 1975, como vice-presidente da Pepsi Cola Company. À distância, monitorizou ações desestabilizadoras contra a UP, incluindo o financiamento da CIA ao grupo de extrema-direita Patria y Libertad, paralisações empresariais e greves, e apoio financeiro ao El Mercurio.

Numa entrevista ao Ciper (Centro de Investigación Periodística), Kornbluh destacou que as contribuições financeiras encobertas da CIA para El Mercurio duraram até 1974. O principal diário chileno foi, portanto, tanto o grande promotor jornalístico do golpe contra Allende, como o suporte de propaganda e ideológico da instalação do regime do general Pinochet, precisamente caracterizado como uma ditadura cívico-militar.

Veja Também:  O alarme climático está soando - é hora de parar de silenciá-lo

Nesta função, El Mercurio foi um entusiasta promotor do modelo neoliberal, instalado de mãos dadas com a repressão, e apoiou, desde a sua linha editorial e informativa, as assembleias com as quais a DINA e o seu sucessor, o Centro Nacional de Informação (CNI), ocultaram assassinatos e desaparecimentos forçados de opositores.

O jornal vespertino La Segunda, do consórcio El Mercurio, foi peça-chave no conjunto de mentiras da Operação Colombo em julho de 1975. Os serviços secretos do Brasil, Argentina e Chile montaram esta operação, na qual tentaram se passar como confrontos internos entre grupos guerrilheiros, o desaparecimento forçado de 119 jovens esquerdistas chilenos.

O mentor desta manobra foi Álvaro Puga, colunista privilegiado de La Segunda que se autodenominava Alexis, e também autor do Plano Z, documento segundo o qual a Unidade Popular pretendia decapitar as Forças Armadas e realizar um autogolpe em setembro de 1973. Foi a justificativa do golpe da junta chefiada por Pinochet, cuja falsidade foi reconhecida muitos anos depois.

Por volta do 50º aniversário do golpe, as novas revelações sobre o papel de Edwards e  El Mercurio  na desestabilização do governo UP, com o apoio e cumplicidade ao mais alto nível do governo dos Estados Unidos, são valiosas, especialmente quando provenientes do Chile os partidos de direita promovem um negacionismo que relativiza o plano golpista e a magnitude das violações dos direitos humanos.

Em 2001, o jornalista Manuel Cabieses, diretor da  revista Punto Final , apresentou queixa contra Agustín Edwards perante o Tribunal de Ética do Colégio de Jornalistas, por suas ações que constituíram violações de preceitos profissionais, bem como ataques à soberania chilena.

A denúncia não foi recebida com o discutível argumento de que o dono do El Mercúrio não atuou como jornalista, mas por ideias políticas. Quatorze anos se passaram, até que em 2015 a jovem presidente do Colégio, Javiera Olivares, apresentou outra denúncia contra o magnata jornalístico, que foi aceita e significou a expulsão de Edwards do corpo profissional.

A história permanece e seus protagonistas passam. Agustín Edwards faleceu em abril de 2017 aos 89 anos. Puga, que também trabalhava na CNI, faleceu em 2015. Este mês, no contexto dos 50 anos, a Universidade Diego Portales publicará o livro O Primeiro Civil da Ditadura. Os arquivos secretos de Álvaro Puga, que certamente contribuirão para enriquecer a historiografia do período ditatorial.

Também às vésperas de meio século de golpe, a viúva de Edwards, María Luisa del Río, morreu em 16 de agosto, aos 93 anos. Segundo o jornal eletrônico  El Mostrador, seus bens somavam 100 bilhões de pesos chilenos, cerca de 120 milhões de dólares.


Este artigo foi publicado originalmente em Meer e na Inter Press Service


FOTO DE CAPA:


Richard Nixon (D), presidente dos Estados Unidos em 1973, quando ocorreu o golpe no Chile, junto com seu secretário de Estado, Henry Kissinger. Imagem: Domínio Público.

Tagged: , ,

Leave comment