Imagem 1

Conflito, assédio e clima deslocam mais de 110 milhões de pessoas

Conflito, assédio e clima deslocam mais de 110 milhões de pessoas

Desse número, pouco mais de 60 milhões são deslocamentos internos de pessoas forçadas a deixar suas casas, mas que não precisaram cruzar as fronteiras reconhecidas internacionalmente; e quase 30 milhões são de refugiados que as cruzaram e encontram-se fora de seu país de origem. (Foto: Acnur)

POR BORJA SANTOS PORRAS

MADRI – O número de pessoas deslocadas à força aumentou para 108 milhões em 2022 e deve chegar a 117 milhões até o final de 2023 , segundo a Agência das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).

Desse número, pouco mais de 60 milhões são de deslocamentos internos, de pessoas forçadas a deixar suas casas, mas que não precisaram cruzar as fronteiras reconhecidas internacionalmente; e quase 30 milhões são de refugiados que as cruzaram e encontram-se fora de seu país de origem. O restante se divide em requerentes de asilo, apátridas, repatriados e pessoas com necessidade de proteção internacional.

Segundo o ACNUR, esse montante de refugiados está distribuído geograficamente da seguinte forma: 22% na Europa, 18% nas Américas, 18% no leste e chifre da África, 14% no Oriente Médio e norte da África, 11% no oeste e na África Central, 9% na África do Sul e 9% na Ásia e Pacífico.

Um relatório recente da agência das Nações Unidas pede uma partilha mais equitativa da responsabilidade pelo acolhimento, uma vez que é a maioria dos países de baixo e médio rendimento que acolhem essas pessoas.

A proteção das populações sob deslocamento forçado é fundamental. Apenas entre janeiro e fevereiro de 2023, 368 pessoas morreram durante a jornada marítima pela Europa, por isso que é essencial conhecer os dados e as causas em detalhes.

Um aumento de 17% devido a conflitos e violência

Uma das principais causas do deslocamento de pessoas é o conflito e a violência. Esta é a principal razão pela qual o número de deslocamentos internos cresceu tão rapidamente. Apenas em um ano, entre 2021 a 2022, o número cresceu 17% .

A Guerra na Ucrânia causou o deslocamento mais rápido de pessoas e um dos maiores desde a Segunda Guerra Mundial. A Ucrânia ocupa o nono lugar em termos de requerentes de asilo. Isto acontece, no entanto, porque na União Europeia, a grande maioria dos ucranianos (dois terços, o equivalente a quatro milhões) registrou-se exclusivamente para serem beneficiários do regime de proteção temporária em vez de seguirem o procedimento habitual de pedido de asilo.

O início da Guerra na Síria em 2011 fez com que mais de 12 milhões de sírios tivessem que deixar suas casas. Quase sete milhões de deslocados internos e mais de cinco milhões solicitaram asilo no exterior, principalmente em países vizinhos como Turquia, Líbano ou Jordânia. A situação não melhorou e desde maio de 2022 os pedidos de asilo aumentaram, voltando aos níveis de 2015 e 2016.

O número de pedidos do Afeganistão aumentou para 3 milhões de refugiados em 2022. 80% da população que se encontra nesta situação de deslocamento interno são mulheres, meninas e meninos.

A taxa de reconhecimento de refugiados afegãos caiu de 66% em 2021 para 54% em 2022, devido a um maior número de decisões que concedem proteção humanitária temporária em vez do status de refugiado ou proteção subsidiária.

Veja Também:  Milei comemora sucesso econômico enquanto os argentinos ficam mais pobres

O caso da Venezuela também é relevante. Mais de sete milhões de venezuelanos foram forçados a deixar suas casas desde 2015 devido à situação de insegurança e instabilidade econômica em seu país, sendo Colômbia e Peru os dois principais destinos (2,48 e 1,49 milhões, respectivamente), seguidos por Estados Unidos, Equador, Espanha e Chile.

Variações climáticas e desastres naturais

Outra das principais causas do deslocamento forçado são as variações climáticas e os desastres que ocorrem como consequência. O Banco Mundial estima que, até 2050, mais de 140 milhões de pessoas poderão ser forçadas a emigrar devido a desastres climáticos apenas nas regiões da América Latina (17 milhões), África Subsaariana (86 milhões) e Sul da Ásia (40 milhões).

Segundo o Centro Internacional de Monitoramento de Deslocamentos , em 2022, 8,7 milhões de pessoas foram deslocadas internamente como resultado desses desastres, 45% a mais do que em 2021. Mais da metade dos deslocamentos recentes deveu-se a inundações.

Há casos muito relevantes desses desastres. O corredor seco da América Central, por exemplo, região que abrange a Nicarágua, Honduras, Guatemala, Costa Rica e El Salvador é conhecida por suas condições climáticas extremas. De furacões a terremotos e inundações, os 11 milhões de habitantes da região enfrentam repetidos desastres naturais.

Outra causa que gera migrações forçadas é a perseguição ou assédio devido à orientação política ou sexual ou identidade de gênero.

Por um lado, ainda existem muitos sistemas autoritários nos quais há perseguição sistemática à oposição.

De outro, as relações sexuais consensuais entre pessoas do mesmo sexo são penalizadas em 62 países e há penas de morte em 11. Identificar o número exato não é fácil, pois os registros às vezes não especificam.

Finalmente, os fatores econômicos também afetam os deslocamentos. A busca por melhores condições econômicas não se enquadra nos fatores que permitem o reconhecimento da condição de refugiado pela Convenção de 1951, mas costuma ser classificada como migração voluntária. Muitas vezes, esses fatores estão associados à instabilidade política, conflito ou vulnerabilidade devido a variações climáticas.

Direitos nos países anfitriões

Face ao número crescente de pessoas deslocadas e às causas subjacentes referidas, colocam-se em debate vários temas essenciais para melhorar a sua situação, como a colocação profissional, os direitos dos refugiados no país de acolhimento, os quadros necessários para gerir e normalizar a migração no a longo prazo, o impacto das mudanças climáticas nos deslocamentos forçados e a desinformação sobre a migração quando usada como arma de polarização política.

A situação atual do deslocamento forçado infelizmente continua se agravando devido a um maior número de pessoas que estão fugindo de seus lugares de origem. É fundamental continuar dando visibilidade à sua situação para que todos no mundo tenham direito a uma vida digna e próspera.


Borja Santos Porras é Diretor Executivo da Escola de Assuntos Públicos e Globais da Universidade IE da Espanha.


Artigo  originalmente publicado no The Conversation e republicado na Inter Press Service.

Tagged: , ,

Leave comment