Os Estados Unidos entregam vida e morte a uma Gaza devastada

Os Estados Unidos entregam vida e morte a uma Gaza devastada


A lei norte-americana afirma: “Nenhuma assistência será fornecida a qualquer país quando for comunicado ao Presidente que o governo desse país proíbe ou de outra forma restringe, direta ou indiretamente, o transporte ou entrega da assistência humanitária dos Estados Unidos”, lembra comunicado à imprensa do escritório do senador Sanders.

POR THALIF DEEN

NAÇÕES UNIDAS, 14 de março de 2024 (IPS) – A pura hipocrisia da administração Biden é refletida em sua política de lançar pacotes de alimentos em uma Gaza devastada, enquanto continua a armar Israel com mísseis e artilharia pesada para matar civis palestinos que sofrem com fome e inanição.

Como disse o congressista Ro Khanna (Democrata da Califórnia) na semana passada: “Você não pode ter uma política de ajuda (aos palestinos) e dar a Israel as armas para bombardear os caminhões de comida ao mesmo tempo”.

Ou como colocou o New York Times: “Dos céus sobre Gaza, hoje caem bombas americanas e paletes de comida americanos, entregando morte e vida ao mesmo tempo, e ilustrando o esforço elusivo do presidente Biden para encontrar equilíbrio em uma guerra no Oriente Médio desequilibrada”.

Mouin Rabbani, co-editor do Jadaliyya e membro não residente do Centro de Estudos de Conflito e Humanitários, disse à IPS que as entregas dos EUA de quantias simbólicas de ajuda à população palestina sitiada na Faixa de Gaza têm várias dimensões inter-relacionadas:

Em um nível, ele apontou, os lançamentos aéreos, planos para um cais móvel e similares são puro teatro, fumaça e espelhos destinados a desviar a atenção da participação ativa dos EUA e da cumplicidade no ataque genocida de Israel, incluindo seu cerco medieval à Faixa de Gaza.

“A crise atual demonstrou a extraordinária dependência de Israel em relação aos EUA e sua incapacidade de realizar operações militares sustentadas ou de escapar da responsabilidade sem o patrocínio dos EUA.”

No entanto, disse ele, os EUA tomaram a decisão política de não instruir seu procurador israelense a interromper seu ataque genocida, nem a encerrar um cerco explicitamente projetado para produzir fome, doenças epidêmicas, e similares.

“Pelo contrário, Washington desdobrou todo o seu alcance de influência, incluindo a entrega de dezenas de milhares de toneladas de explosivos de alta potência, vetos do Conselho de Segurança da ONU e intimidação de seus aliados e regimes-clientes, para garantir que Israel possa continuar com seu ataque genocida e a fazê-lo com impunidade.”

Esses lançamentos aéreos teatrais são tanto uma farsa quanto a recente decisão de promover uma imagem de oposição à política estatal de Israel de expansão dos assentamentos na Cisjordânia ao sancionar quatro colonos israelenses, disse Rabbani.

Um cálculo da proporção de pão para bombas entregue pelos EUA à população palestina da Faixa de Gaza diz tudo o que você precisa saber sobre as intenções, prioridades e preferências dos EUA, declarou.

Em artigo de opinião para a IPS, Dr. Alon Ben-Meir, professor aposentado de Relações Internacionais, do Centro de Assuntos Globais da Universidade de Nova York, escreveu que a abordagem dupla de apoiar as necessidades de segurança de Israel e também fornecer assistência humanitária aos palestinos faz parte do esforço diplomático mais amplo dos EUA para equilibrar seus interesses na região.

No entanto, o esforço dos Estados Unidos para promover a segurança regional, apoiando o direito de Israel se defender enquanto advoga pelas necessidades humanitárias dos palestinos e age sobre elas, apresenta um dilema para o presidente Biden.

A administração Biden pode muito bem ter que recorrer a medidas diretas para forçar Netanyahu a mudar sua política, acrescentou.

“Deve-se notar que as próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos em novembro estão desempenhando um papel na estratégia de Netanyahu. Se houver apenas duas pessoas no mundo que desejam que Trump vença as eleições deste outono, o primeiro é Trump ele mesmo, e o segundo é Netanyahu. O primeiro-ministro israelense fará tudo em seu poder para minar a reeleição do presidente Biden.”

Ele está aplaudindo o fato de Biden ser intensamente criticado por alguns democratas do Congresso, bem como por uma multidão de jovens eleitores, que se opõem ao seu apoio inabalável a Israel enquanto dezenas de milhares de palestinos morreram e continuam morrendo. Netanyahu prolongará a guerra enquanto isso servir a seus interesses pessoais e para enfraquecer Biden politicamente em sua campanha de reeleição.

“O presidente Biden não deve permitir que Netanyahu dite a agenda. Ele deve agora tomar medidas definitivas para alertar o público israelense de que, embora o compromisso dos EUA com a segurança nacional de Israel seja inabalável, a administração dos EUA faz distinção entre o estado de Israel e o atual governo Netanyahu, com o qual ele tem discordâncias fundamentais”, disse o Dr. Ben-Meir, que ministrou cursos sobre negociação internacional e estudos do Oriente Médio.

Elaborando mais, Rabbani disse que todo especialista e agência que comentou sobre esses lançamentos aéreos concluiu, sem exceção, que os lançamentos aéreos não podem sequer começar a resolver a emergência humanitária criada pelos EUA e Israel na Faixa de Gaza, mas que isso pode ser resolvido pela entrega de ajuda que já está presente nas rotas terrestres.

Veja Também:  Equador ataca o coração do direito de asilo na América Latina

“Este último exigiria não mais do que uma ligação da Casa Branca para o governo israelense. Washington tomou a decisão de política de não buscar essa opção”.

Em segundo lugar, a farsa pretende legitimar o ataque genocida de Israel à Faixa de Gaza, assim como o cessar-fogo temporário de novembro, nas palavras do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, foi necessário para manter o endosso ocidental para a guerra de Israel e para sua retomada e intensificação no início de dezembro do ano passado.

Os palestinos estariam melhor sem esses lançamentos aéreos, especialmente porque pelo menos cinco já foram mortos por eles, declarou Rabbani.

Enquanto isso, em um novo relatório divulgado em 13 de março, a CIVICUS, uma aliança global de organizações da sociedade civil, disse que a hipocrisia dos países poderosos minou a ordem internacional baseada em regras em 2023, tornando mais difícil promover os direitos humanos e resolver as guerras mais devastadoras do mundo.

Em seu 13º Relatório Anual do Estado da Sociedade Civil, o CIVICUS com sede em Joanesburgo detalhou como estados poderosos escolheram seletivamente respeitar as leis internacionais, protegendo aliados, mas castigando inimigos.

Os exemplos mais flagrantes são países que correram em defesa da Ucrânia contra a invasão da Rússia, mas apoiaram os ataques de Israel a civis em Gaza, e vice-versa.

“Exércitos, rebeldes e milícias em todo o mundo cometeram abusos horríveis aos direitos humanos em 2023 porque sabiam que poderiam sair impunes graças a um sistema internacional vacilante cheio de duplos padrões”, disse Mandeep Tiwana, diretor de evidências e engajamento da CIVICUS.

“Começando pelo Conselho de Segurança da ONU, precisamos de reformas na governança global que coloquem as pessoas no centro do processo de tomada de decisões”, declarou.

Questionado sobre um relatório do Ministério da Saúde de Gaza de que as mortes na região ultrapassaram 31.000, o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, disse aos repórteres em 13 de março: “É mais um marco sombrio, e gostaria de não estar aqui esperando que esses marcos caiam”.

“O que queremos mais uma vez, e vamos pedir isso novamente, é um cessar-fogo humanitário imediato, um silenciamento das armas para podermos obter o acesso humanitário de que precisamos, para realizar as operações humanitárias em uma escala de que precisamos, que os civis em Gaza possam parar de sofrer, possam obter comida e os serviços básicos de que precisam, e que vejamos os reféns, os reféns israelenses e outros ainda mantidos em Gaza, libertados imediatamente”, disse ele.

Enquanto isso, em meio à contínua catástrofe humanitária em Gaza, os senadores dos EUA Bernie Sanders, Chris Van Hollen, Jeff Merkley e outros cinco colegas democratas no Senado enviaram uma carta ao presidente Joe Biden na segunda-feira, instando-o a fazer cumprir a lei federal exigindo que o governo de Netanyahu pare de restringir o acesso à ajuda humanitária a Gaza ou renuncie à ajuda militar dos EUA a Israel.

Na carta, os senadores deixaram claro que a interferência de Netanyahu nas operações humanitárias dos EUA em Gaza viola a Seção 620I da Lei de Assistência Externa de 1961, também conhecida como Lei do Corredor de Ajuda Humanitária.

A lei norte-americana afirma: “Nenhuma assistência será fornecida sob este capítulo ou a Lei de Controle de Exportação de Armas a qualquer país quando for comunicado ao Presidente que o governo desse país proíbe ou de outra forma restringe, direta ou indiretamente, o transporte ou entrega da assistência humanitária dos Estados Unidos”, conforme o comunicado à imprensa do escritório do senador Sanders.

Ao presidente Biden, os senadores escreveram: “De acordo com relatórios públicos e suas próprias declarações, o governo Netanyahu está violando esta lei. Dada esta realidade, instamos você a deixar claro para o governo Netanyahu que a falta de expansão imediata e dramática do acesso humanitário e a facilitação de entregas seguras de ajuda por toda Gaza resultarão em consequências sérias, conforme especificado na lei dos EUA existente”.

“Os Estados Unidos não devem fornecer assistência militar a nenhum país que interfira na assistência humanitária dos Estados Unidos”, continuaram os senadores.

“A lei federal é clara, e, dada a urgência da crise em Gaza e a recusa repetida do primeiro-ministro Netanyahu em abordar as preocupações dos EUA sobre essa questão, uma ação imediata é necessária para garantir uma mudança de política por parte de seu governo.”

Relatório do Bureau de Notícias da ONU da IPS.

Muito da Faixa de Gaza está em ruínas. Crédito: UNRWA/Ashraf Amra. Fevereiro de 2024

Tagged: , ,