BAHIA: Governo presente cuida da gente

Mercosul: FoMerco chega a João Pessoa

Mercosul: FoMerco chega a João Pessoa

O FoMerco é uma rede pioneira de pesquisadores e pesquisadoras do Mercosul, dedicados ao estudo da integração latino-americana, composta por professores e estudantes de graduação e pós graduação dos países membros e associados do bloco.

Desde 2000, o FoMerco realiza Congressos Internacionais voltados para promoção do intercâmbio acadêmico, mas também o diálogo com representantes dos governos e dos movimentos sociais. É um dos poucos fóruns acadêmicos que possui essa confluência de olhares e sensibilidades, sempre numa perspectiva teórica e de observação participativa preocupada em descortinar os caminhos de uma maior e melhor integração econômica, política, social e cultural de nossos povos.

No passado foram realizados congressos em Montevidéu, Buenos  Aires e Assunção, que vieram complementar as edições realizadas em Salvador, Foz do Iguaçu, Tocantins, Boa Vista, Rio de Janeiro, entre outras.

O XIX Congresso Internacional do FoMerco, realizado nos dias 22, 23 e 24 de novembro de 2023, na cidade de João Pessoa, na Paraíba, veio enriquecer esse importante processo de reflexão e pesquisa. Sempre realizado em Universidades Públicas, o que denota o compromisso do Fórum com o ensino superior, público e gratuito, dessa vez o FoMerco foi acolhido pela Universidade Estadual da Paraíba.

Levar as discussões da integração regional aos estados mais distantes da fronteira sul é um dos objetivos centrais da Rede. Centenas de trabalhos foram apresentados e debatidos nos vários eixos de reflexão deste Fórum. Os painéis contaram com a presença de convidados nacionais e internacionais, e foram marcados pela diversidade temática e pelo caráter interdisciplinar e intercultural das exposições. Todas elas que se encontram disponíveis no site (Fomerco.com.br) e no Instagram (fomerco_oficial).

A seguir, divulgamos a Carta de João Pessoa, documento subscrito pelo atual presidente do Fórum e pelos que o antecederam no cargo, refletindo sobre conjuntura regional e internacional na qual o evento se realizou.

CARTA DE JOÃO PESSOA

Ao iniciar mais essa jornada de intercâmbio acadêmico entre estudiosos do Mercosul, desejamos agradecer à reitoria da Universidade Estadual da Paraíba por acolher o XIX Congresso Internacional do FoMerco e felicitar a todas e todos os congressistas que vieram a João Pessoa expor as suas hipóteses de trabalho e conclusões de pesquisas acerca dos rumos da integração latino-americana.  

Ao longo desses próximos dias daremos testemunho do compromisso do FoMerco com a educação pública, gratuita  e de qualidade, assim como com o desenvolvimento da  ciência e da cultura em prol da integração dos povos.  Como cientistas sociais, dedicados à pesquisa da integração latino-americana, estamos conscientes do papel da educação  para o fortalecimento da democracia  e a consolidação de uma cultura de paz.

Nesta Sessão de Abertura, queremos nos juntar às vozes que se manifestaram a favor do cessar-fogo na Faixa de Gaza e o acordo finalmente aprovado, e expressar a nossa mais irrestrita solidariedade ao povo palestino. Condenamos a ação do Hamas contra a população civil de Israel, assim como o massacre de palestinos que já conta milhares de perdas humanas, a maior parte de mulheres e crianças inocentes.


Exortamos os governos dos países que integram o Mercosul a não pouparem esforços diplomáticos para encontrar uma solução pacífica e negociada para um conflito que não começou agora, e que requer a definitiva adoção da resolução das Nações Unidas de criação do Estado Palestino, livre, laico e soberano, sistematicamente violada por Israel ao longo de 75 anos de ocupação da Palestina.

Não é mera coincidência que as guerras contemporâneas ressurjam num contexto de avanço mundial das forças de extrema-direita, representadas por líderes de índole fascista, que propagam o ódio, a intolerância e a utilização da força bruta. Por isso saudamos com entusiasmo a eleição de lideranças do campo democrático e popular no último ano no Chile, na Bolívia, na Colômbia e no Brasil, o que confirma a capacidade de resistência da América Latina às políticas neoliberais. Preocupa-nos, porém, que a recém-chegada da extrema-direita ao governo da Argentina adie a necessária retomada da integração sul-americana.   

Veja Também:  Revoluções socialistas com governos militarizados

Reafirmamos o nosso entendimento de que a integração regional não prescinde da democracia e da paz. Foi assim nos primórdios da União Europeia e tem sido assim desde sempre no Mercosul. No passado recente, entretanto, o nosso bloco esteve à deriva, refletindo o descaso do governo brasileiro com as instituições democráticas. Combinado com a desaceleração da  economia mundial e a  crise sanitária,  o  ressurgimento do autoritarismo levou à perda do dinamismo logrado pela integração na primeira década do  século. Instamos os atuais governantes dos Estados Partes a agirem decididamente para recuperá-la, defendendo o bloco de acordos que possam aprofundar a reprimarização de nossas economias ou de iniciativas que venham a debilitá-lo enquanto união aduaneira. É preciso mais, e não menos Mercosul.

Nesses onze meses, o governo Lula tem trabalhado para recuperar o papel do Brasil no cenário internacional e reconstruir o alinhamento do país com a defesa do multilateralismo para lidar com os grandes desafios mundiais contemporâneos, como a luta contra a desigualdade, o combate às mudanças climáticas e a proteção da  Amazônia. É sob essa perspectiva que exortamos o governo a não poupar esforços para ajudar a resgatar o Mercosul, reconsiderar a experiência da  UNASUL e impulsionar com todas as forças a CELAC como fatores de desenvolvimento econômico, intercâmbio comercial e integração sociocultural de nossos povos.

Em poucos dias os presidentes dos países do Mercosul se reunirão no Rio de Janeiro, sob a presidência pro tempore do Brasil, com a imensa responsabilidade de recuperar a efetividade das políticas de integração regional. Conclamamos, com especial ênfase, que eles estejam atentos à necessidade de promover a reconstrução dos espaços de diálogo com a sociedade civil do Mercosul. A participação social, que já era importante  no passado, é ainda mais necessária agora, e pode contribuir para aproximar o Mercosul do cidadão comum. O FoMerco, que participou de inúmeras edições das Cúpulas Sociais do Mercosul,  estará sempre disposto a ajudar o  diálogo dos governos com a sociedade civil do Mercosul através dos seus  aportes acadêmicos.

Finalmente, gostaríamos de registrar a nossa tristeza e fazer uma justa homenagem póstuma ao professor Marcos Costa Lima, ex-presidente do FoMerco, professor emérito da Universidade Federal de Pernambuco, que nos deixou no início desde ano após uma prolongada doença contra a qual lutou como um guerreiro; aliás, lutou como sempre o fez em sua atividade docente, sem nunca perder a delicadeza e a amabilidade com os colegas, ao defender com vigor as suas convicções como pesquisador e professor que ajudou a formar uma geração de estudantes internacionalistas e que agora, seguindo de perto os seus passos, mantém viva a esperança de uma América Latina mais integrada, justa e soberana. Marcos Costa Lima, presente!

Viva o FoMerco! 

Viva a integração latino-americana!

Filipe Reis Melo (presidente, UEPB)

Mônica Leite Lessa (ex-presidente, UERJ)

José Renato Vieira Martins (ex-presidente, UNILA)

Ingrid Piera Andersen Sarti (ex-presidente, UFRJ)

Gisálio Cerqueira Filho (ex-presidente, UFF)

João Pessoa, 22 de novembro de 2023

Tagged: , , , , ,

Leave comment