Imagem 1

Museu do Ipiranga de SP proíbe distribuição de HQ crítica a Bolsonaro

Museu do Ipiranga de SP proíbe distribuição de HQ crítica a Bolsonaro

“A HQ é construída com referências bastante explícitas e críticas à atual gestão do governo federal e a grupos religiosos”, justifica o museu

O Museu do Ipiranga, em São Paulo, vetou a distribuição para seus visitantes de uma história em quadrinhos infanto-juvenil que trata da história do Brasil e faz referências críticas a políticas públicas de Jair Bolsonaro (PL). O  governador do Estado, Rodrigo Garcia (PSDB), apoia a reeleição do presidente.

A HQ “Contra Tempo — Uma Viagem de Duzentos Anos” (foto acima) foi produzida pelo Instituto Ciência na Rua. A peça tem como protagonista Bia, uma estudante de história que habita “um lugar distópico dominado pela violência e pela ignorância”. Em busca de respostas para a sua realidade, a personagem viaja ao passado e presencia momentos históricos do país.

No início da HQ, Bia percorre uma via dominada por policiais cujo logradouro é “rua Coronel Ustra”. Nela, há igrejas evangélicas, uma loja de armas e um painel com a inscrição “Deus, armamento e liberdade!”, que também traz um homem branco que simula dois revólveres com as mãos.

Esta passagem, que ocupa duas páginas do livro, levou ao veto por parte da Comissão de Cultura e Extensão do Museu do Ipiranga em caso ocorrido em agosto e que veio a público agora.

“A HQ é construída com referências bastante explícitas e críticas à atual gestão do governo federal e a grupos religiosos. Há menções, por exemplo, às Igreja Deus é Amor e Congregação Cristã do Brasil, além de uma ilustração de Jair Bolsonaro”, diz parecer do colegiado, segundo a coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo.

“Não estamos entrando no mérito em relação à concordância conceitual da equipe de educação sobre a proposta do material, mas entendemos que o Museu não tem se posicionado de forma tão enfática em outros espaços de comunicação, buscando evitar eventuais pontos de tensão com a atual gestão federal”, continua o parecer.

Veja Também:  As dificuldades da esquerda

Ao final do parecer, é dito que uma outra abordagem poderá ser dada para o material no futuro —como uma leitura mediada por professores, por exemplo—, “mas não nesse momento”.

O Instituto Ciência na Rua foi criado pela jornalista e pesquisadora Mariluce Moura. O livro que seria oferecido no Ipiranga é apoiado pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A HQ é assinada pelo historiador e professor da USP João Paulo Pimenta, pelas artistas Ana Cardoso e Hyna Crimson e pelo roteirista Igor Marques. Antes de ganhar o formato em livro, os quadrinhos foram publicados semanalmente no site do Ciência na Rua, entre novembro de 2021 e setembro deste ano.

Tagged: ,

Leave comment