Programas 15 abril: filmes da China…

Programas 15 abril: filmes da China…

E no dia 17, 2a feira,, às 20 horas, outro programa imperdível. Participar e/ou assistir Brasil e China – Importância da Visita de Lula, o tema de Diálogos AMSUR/Fórum21/Fórum Permanente e RED, a Rede da Democracia. Com Marcio Pochmann e José Renato Peneluppi Jr. HTTPS://forum21br.com.br/author/amsur

* Programão. Emocionante, e marca os novos tempos: assistir como o presidente Lula foi recebido pela China e por Xi Jinping ao som de Aquarela do Brasil, de Ary Barroso, é claro; de Um Novo Tempo, de Ivan Lins e Victor Martins, composição executada pelo exército chinês no Grande Palácio do Povo de Pequim e da linda Se Essa Rua Fosse Minha, de Mario Lago e Roberto Martins, em Shangai. Assistir na TVT, a Televisão dos Trabalhadores e no Youtube.

* É um programa que desidrata o modo desonesto, distorcido e chocho da cobertura da viagem do presidente Lula e sua comitiva na mídia brasileira. Corporativa? ‘’Profissional’’? Ou subserviente?

* Dia 17 próximo, às 20 horas, outro programa imperdível. Participar e/ou assistir Brasil e China – Importância da Visita de Lula, o tema de Diálogos AMSUR/Fórum21/Fórum Permanente e RED, a Rede da Democracia. Com Marcio Pochmann e José Renato Peneluppi Jr. HTTPS://forum21br.com.br/author/amsur

* Uma bela mostra retrospectiva do cinema chinês em streaming seria um grande programa para esta semana em que o país oriental, um dos pólos de poder político do novo mundo que desponta, recebeu o presidente Lula e sua comitiva. Trabalhando e vivendo na China continental, em Hong Kong e em Taiwan, todos os realizadores de filmes de lá têm as mesmas milenares raízes culturais. Chen Kaige, Zhang Yimou, Hou Hsiao-hsien, autor de Um Tempo para Viver, um Tempo para Morrer e de Millennium Mambo e Leão de Ouro em Veneza, em 89, realizaram, e alguns ainda estão criando filmes memoráveis como Adeus minha concubina e Lanternas Vermelhas, dos anos 90,

* Mas na plataforma Mubi continua em cartaz uma pequena seleção de preciosos filmes clássicos de Wong Kar-Wai, que foi uma aparição espetacular no mundo cinematográfico no fim do século 20, começo de 21. In the Mood for Love (a obra prima aqui batizada de Amor Á flor da pele, de 2000), O Grande Mestre, de 2013, único filme de kung fu (wuxia) do cineasta e o restaurado Cinzas do Passado – Redux, de 2004, são clássicos a rever.

* O ano de 2000 marca o sucesso nos Estados Unidos de Ang Lee, que trabalha em Taiwan, com O Tigre e o Dragão. E recentemente A Grande Muralha, de Yimou, foi anunciado como o filme mais caro da história do cinema chinês, com Matt Damon. Pesquisas apontam que a China se transformou em um grande país de cinéfilos e é o segundo mercado de cinema do mundo.

 * O 28º Festival É Tudo Verdade este ano exibe 72 produções entre longas, médias e curtas-metragens.  As sessões ocorrem simultaneamente no Rio de Janeiro e em São Paulo, com entrada franca, até o dia 23. O homenageado é o histórico diretor brasileiro Humberto Mauro que vem com dez filmes dos seus filmes. A programação está disponível no site do evento: www.etudoverdade.com.br.  

1968, um ano na vida foi o novo documentário de Eduardo Escorel que abriu o É Tudo Verdade, no cinema NetRio. “‘Outro filme sobre 1968?!’ foi a primeira reação de Escorel ao receber a proposta para documentar o legendário ano. O seu material,  mais do que original, é baseado no diário da irmã do cineasta.

* Exposição Mulheres de visão 2 acaba de ser apresentada na Galeria Icon Artes, em Santo Cristo, no Rio de Janeiro. Um bom programa. Informação: Santo Cristo, bairro vizinho a São Cristóvão, está se tornando um pólo de galerias, estúdios de restauradores e de ateliês de artistas. Ambiente calmo no meio de uma cidade caótica que vale um passeio de fim de semana.

Veja Também:  Armazém do Campo-SP e Livraria Expressão Popular se unem para levar alimentação saudável e livros de qualidade ao centro de São Paulo

O Brasil na Guerra das Malvinas: entre dois fogos, do professor de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Carlos, João Roberto Martins Filho, acaba de ser lançado. Leitura com perspectiva histórica, traz documentos secretos liberados que permitem compreender a participação do Brasil na Guerra nas Malvinas/Falklands, 40 anos atrás. ‘’Nos meses de abril a junho de 1982, o governo brasileiro desenvolveu uma diplomacia do fio da navalha. Sua meta foi não contrariar os países beligerantes ao mesmo tempo em que pendia para a Argentina’’, revela o autor. Ao longo de toda a narrativa do livro nele paira a sombra da Guerra Fria. Leitura indispensável.

*A Cultura do Narcisismo – uma era de expectativas decrescentes, livro do historiador Christopher Lasch, um dos gurus dos anos 70, está retornando às principais prateleiras das livrarias.  Para o autor a cultura do narcisismo parte da origem do movimento de autoconsciência e autocuidado nos anos 70, passa pela ética protestante, persegue o sucesso profissional e celebra a figura do self-made man até chegar aos debates sobre ser narcisista, intensificados nas últimas décadas. Hoje, Lasch cai como uma luva em plena era da epidemia narcísica modelo século 21.

* De olho na 76ª edição do Festival de Cinema de Cannes 2023, de 16 a 27 de maio. A mídia francesa dá destaque a dois filmes  que considera favoritos para receber a Palma de Ouro: o italiano Il sol della’avvenire, roteiro, produção, direção e protagonizado por Nanni Moretti e, especialmente, Killers of the Flower Moon, de Martin Scorsese, hoje com 80 anos e em plena atividade.

Brasil sob escombros – desafios do governo Lula para reconstruir o país é outra leitura importante. Desinformação, militarismo, genocídio, pandemia e Judiciário são alguns dos temas tratados nessa coletânea de textos breves organizada por Juliana Magalhães e Luiz Felipe Osório. Os artigos são de Adriana M. Amado, Alvaro de Azevedo Gonzaga, Alysson Leandro Mascaro, Armando Boito Jr., Breno Altman, Cesar Calejon, Felipe Labruna, Flávia Braga Vieira, Francisco Carlos Teixeira da Silva, Gabriela Junqueira Calazans, Gustavo Marinho, João Quartim de Moraes, Leonardo Attuch, Luis Felipe Miguel, Luiz Gonzaga Belluzzo, Maria de Lourdes Rollemberg Mollo, Maria Lygia Quartim de Moraes, Milton Pinheiro, Rafael Valim, Regina Facchini, Ricardo Musse, Silvio Luiz de Almeida e Valter Pomar além de outros professores. Fotos de William Martins, edição da Boitempo, coleção Tinta Vermelha.

*A USP abriu edital para 50 bolsas de pós-doutorado para pesquisadores negras e negros de todo o Brasil. Inscrições até o dia 10 de maio. https://prip.usp.br/posdoc-pesquisadores-negros

* Leitura importante, em especial neste momento de sucessivos episódios violentos nas escolas do país: Jogo, mimese e socialização – e o sentido do jogar coletivo. O trabalho da socióloga Tamara Grigorowitschs (USP) sobre como o brincar revela processos de socialização e de construção do self na infância. Ela indaga: o que move o brincar infantil? O que pode haver em comum entre a infância de Walter Benjamin em Berlim, no final do século XIX, e o recreio de uma escola municipal em São Paulo?

(L.M.A.R.) As informações acima são fornecidas por editoras, produtoras e exibidoras.

Tagged: , , ,

Leave comment