Imagem 1

Claudia Sheinbaum propõe Estado de bem-estar social para o México

Claudia Sheinbaum propõe Estado de bem-estar social para o México

A cientista e ativista de esquerda moderada Claudia Sheinbaum, 61 anos, venceu as eleições de 2 de junho por uma esmagadora maioria e será a primeira mulher presidente do México. “Não estou sozinha, estamos todas aqui”.

CORRESPONDENTE IPS

CIDADE DO MÉXICO – A primeira mulher presidente do México a partir de 1 de outubro, Claudia Sheinbaum, ofereceu aos seus compatriotas um Estado de bem-estar social, o respeito escrupuloso pelas liberdades e a cooperação com os países do Sul, ao saudar o resultado de sua esmagadora vitória nas eleições de 2 de junho.

Num discurso lido com abundante uso do plural, anunciou: “Vamos continuar todos os programas de bem-estar iniciados pelo Presidente Andrés Manuel López Obrador, vamos alargar os direitos à educação, à saúde, à habitação e à cultura, e vamos continuar a construir um Estado social”.

Esquerdista praticamente desde o berço, oriunda de uma família militante de origem judaica europeia, casada e com dois filhos, Sheinbaum, 61 anos, acadêmica com formação em física e engenharia energética e ambiental, foi chefe de governo da capital antes de se candidatar à presidência.

O seu partido e o de López Obrador, o esquerdista Movimento de Regeneração Nacional (Morena), obtiveram uma vitória estrondosa, com mais de 80% das mesas de voto contadas, já que Sheinbaum obteve 58,79% dos votos, distanciando-se dos seus rivais Xóchitl Gálvez (28,2%) e Jorge Álvarez Máynez (10,52%).

“Pela primeira vez em 200 anos de República, serei a primeira mulher presidente do México”, Claudia Sheinbaum.

Gálvez era o candidato de uma aliança entre os partidos tradicionais, o Partido Revolucionário Institucional (PRI), que governou o México durante 70 anos no século passado, o partido de direita Ação Nacional (PAN) e o Partido Revolucionário Democrático (PRD), que se separou do PRI e cuja derrota alimentou o Morena de López Obrador.

Álvarez Máynez representava o mais recente Movimiento Ciudadano, sem hipóteses de vitória face ao domínio da cena eleitoral por Sheinbaum e Gálvez, o que permitiu prever com grande antecedência que o México teria pela primeira vez uma mulher na presidência.

“Pela primeira vez em 200 anos de república, serei a primeira mulher presidente do México”, comemorou Sheinbaum ao iniciar seu discurso de agradecimento pela eleição.

Ofereceu um governo de paz, harmonia, austeridade financeira, disciplina fiscal, sem aumentos de combustíveis e eletricidade, com garantias para as liberdades de empresa, imprensa, reunião, concentração e mobilização, e respeito pela diversidade política, cultural, regional e de gênero.

Veja Também:  O que esperam os empresários privados das medidas adotadas pelos EUA em relação à Cuba?

Não fez qualquer referência à violência que assombrou a vida dos cidadãos no México e ensanguentou a campanha eleitoral, com 37 candidatos a vários cargos assassinados e dezenas de outras pessoas mortas, num total de 320 casos de violência política contabilizados pela ONG Laboratorio Electoral (Laboratório Eleitoral).

Anunciou que facilitará os investimentos nacionais e estrangeiros e que manterá uma relação de amizade e respeito com os Estados Unidos, para além de defender sempre os milhões de mexicanos que vivem no país vizinho do Norte.

Também para o Sul e as Caraíbas, “haverá relações de amizade e cooperação” e, em geral, na política internacional, “conduziremos o México pelos caminhos da paz, do respeito pela autodeterminação dos povos e da não-intervenção”.

Sheinbaum governará com um forte poder nascido da sua retumbante vitória, com mais de 30 pontos sobre o seu oponente de direita e uma votação ainda maior do que os 53% dos votos que ungiram López Obrador em 2018.

O Morena obteve uma maioria qualificada na Câmara dos Deputados e poderá obter uma maioria semelhante no Senado – dependendo dos resultados das eleições pendentes, incluindo as do estrangeiro -, o que lhe dará uma grande margem de manobra para fazer reformas.

Também na capital, uma mulher, Clara Brugada, igualmente ativista da Morena, foi eleita chefe do governo.

No total, foram 98 milhões de eleitores neste país de cerca de 130 milhões de habitantes que tiveram de eleger mais de 20.000 funcionários, desde o chefe de Estado aos membros dos conselhos municipais e das assembleias municipais.

Do exterior, choveram felicitações a Sheinbaum, Morena, López Obrador e aos cidadãos que lideraram a maior eleição da história da democracia mexicana, com especial complacência dos governantes, dirigentes e movimentos de esquerda e centro-esquerda da região.

Sheinbaum afirmou que, em 2 de junho, “o México demonstrou que é um país democrático com eleições pacíficas” e, ao congratular-se por ser a primeira mulher a ser eleita presidente, exaltou a causa feminista: “Não estou sozinha, estamos todas aqui”.

O novo Congresso mexicano tomará posse em 1 de setembro e, um mês depois, Sheinbaum iniciará o seu mandato de seis anos. No México, o Presidente da República não pode, de forma alguma, ser reeleito.

Foto de capa: Jesús Almazán/Footnote.

Tagged: , ,