Imagem 1

O que o golpe no Níger diz sobre a ajuda de segurança dos EUA no Sahel

O que o golpe no Níger diz sobre a ajuda de segurança dos EUA no Sahel

Apenas nos últimos três anos, o Sahel assistiu a cinco golpes de estado, dois no Mali e no Burkina Faso e agora um no Níger, todos eles envolvem ou implicam oficiais que receberam treino militar dos EUA.

Por ELIAS YOUSIF

WASHINGTON – No que se tornou um fenômeno bastante familiar, o pessoal de segurança treinado nos Estados Unidos foi implicado no golpe militar de 26 de julho que depôs Mohamed Bazoum, o presidente democraticamente eleito do Níger. É o quinto golpe deste tipo no Sahel desde 2020, e o mais recente a derrubar as amplas operações antiterroristas de Washington na região africana, que parecem depender de parceiros militares questionáveis.

À medida que a administração Joe Biden debate como responder, é preciso considerar como este último golpe militar no Níger reflete os anos de cooperação em segurança dos Estados Unidos e a eficácia da abordagem que definiu o envolvimento de Washington na região do Sahel composta por Burkina Faso, Camarões, Chade, Gâmbia, Mali, Mauritânia, Níger, Nigéria e Senegal (imagem acima).

Visão geral da ajuda dos EUA ao Níger e ao Sahel

Ao longo da última década, a cooperação em segurança dos EUA no Sahel, e no Sahel Ocidental em particular, cresceu substancialmente, refletindo uma preocupação generalizada com o aumento da militância islâmica na região. Uma mistura de grupos armados, incluindo afiliados da Al Qaeda e do Estado Islâmico, se concentrou na região ao longo dos anos, realizando ataques oportunistas, envolvendo-se em atividades econômicas ilícitas e colocando em sérios riscos a autoridade dos Estados.

Os Estados Unidos responderam a essas ameaças investindo fortemente em suas próprias operações antiterroristas e em programas de assistência à segurança da região, totalizando uma ajuda militar no Sahel superior a US$ 3,3 bilhões nas duas últimas décadas.

Programas de capacitação de parceiros do Departamento de Defesa, como a Iniciativa de Parceria Transaariana, e as numerosas operações de treino militar estrangeiro são os pilares centrais da abordagem dos EUA na região e, apesar das quantidades significativas de ajuda econômica e humanitária, eles consolidam as relações bilaterais entre Washington e seus parceiros no Sahel.

Entre os anos fiscais de 2001 e 2021, os Estados Unidos forneceram aos países do Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia, Níger e Senegal pelo menos US$ 995 milhões em recursos diretos para a segurança, um número que exclui, provavelmente, grande parte da ajuda mediante a grandes, mas opacos, programas de capacitação do Departamento de Defesa. Entre os anos fiscais de 2001 e 2020, os Estados Unidos proporcionaram a formação [militar] de pelo menos 86.000 africanos nesses países, incluindo 17.643 do Níger.

Ajuda substancial, mas pouco progresso

A ajuda não se traduziu em melhorias proporcionais no panorama da segurança, nem funcionou como um baluarte eficaz contra os confrontos entre civis e militares. Independentemente dos avanços táticos para os quais a ajuda dos EUA tenha contribuído nas forças de segurança do Sahel, a presença, a atividade e o poder dos grupos armados sub-estatais continuaram a crescer.

A atividade relacionada com o terrorismo na região aumentou mais de 2.000% na última década e meia, à medida que organizações militantes concretizaram operações cada vez mais ousadas e atividades pseudoestatais. Ao mesmo tempo, as ações de assistência à segurança dos EUA forneceram apoio material a oficiais militares que cometeram graves violações dos direitos humanos ou que apoiaram a derrubada de governos civis.

Apenas nos últimos três anos, o Sahel assistiu a cinco golpes de estado, dois no Mali e no Burkina Faso e agora um no Níger, todos eles envolvem ou implicam oficiais que receberam treino militar dos EUA. Não é de surpreender que estes golpes militares tenham tido um efeito negativo nos esforços de ajuda de segurança dos EUA e expuseram falhas graves na abordagem de Washington à região.

Veja Também:  ONU clama pelo fim da guerra no Sudão

Você pode ler a versão em inglês deste artigo aqui.

Embora seja difícil identificar uma relação causal entre o treino dos EUA e a propensão golpista por parte dos beneficiários, os repetidos golpes de estado perpetrados pelas forças apoiadas pelos EUA mostram uma falta de discrição na forma como os Estados Unidos selecionam os seus parceiros de segurança.

Na verdade, o comportamento de muitas destas forças treinadas pelos EUA está longe de ser imprevisível, especialmente em locais onde figuras militares desempenham há muito tempo papeis políticos de alto perfil. A seleção dos beneficiários e parceiros para a assistência de segurança dos EUA deve basear-se em avaliações prévias mais robustas, abrangentes e multidisciplinares, e os decisores políticos devem ter a coragem de utilizar essas informações para recusar convites para participar na cooperação em matéria de segurança.

De um modo mais geral, a natureza altamente centrada na área de segurança do envolvimento dos EUA na região do Sahel, coloca uma ênfase significativa na abordagem dos sintomas de insegurança, e com isso desvia a atenção de outras linhas de esforço dirigidas a questões de governança, construção da paz e resolução de conflitos.

A ênfase retórica e política que Washington tem colocado na luta contra o terrorismo, além de ofuscar importantes investimentos humanitários e de desenvolvimento, pode também representar o risco de colocar a política local apenas em termos de segurança e de aumentar a relevância política dos líderes militares sobre os seus homólogos civis.

Na verdade, em quase todos os golpes de Estado mais recentes, os líderes militares citaram a militância e os imperativos da luta contra o terrorismo como justificação para a remoção de líderes civis. Sem uma maior ênfase na governança, nas reformas civis-militares e na criação de instituições de defesa como pré-requisito para a ajuda orientada para o combate, os Estados Unidos correm o risco de perpetuar o conflito e a instabilidade política.

Finalmente, quando as forças de segurança apoiadas pelos EUA dão um golpe de Estado ou cometem graves violações dos direitos humanos, Washington deve ser inequívoca na sua resposta. Demasiadas vezes, os Estados Unidos têm estado dispostos a emitir uma condenação retórica, ao mesmo tempo que mantêm discretamente atividades de cooperação em segurança.

Invocando a necessidade de enfrentar o terrorismo ou a infiltração de outras potências concorrentes na região, o habitual olhar cego dos EUA no Sahel minou qualquer compromisso significativo com a condicionalidade da ajuda dos EUA e enviou um sinal preocupante sobre as consequências do comportamento predatório dos parceiros de segurança da América.

Os Estados Unidos devem reorientar o seu cálculo estratégico e pesar corretamente os riscos de abandonar parceiros de segurança abusivos contra os riscos de continuar a fazer parcerias com forças que comprometem a boa governança e os direitos humanos.

Elias Yousif é analista de pesquisa do Programa de Defesa Convencional do American Stimson Center. Foi vice-diretor do Monitor de Assistência à Segurança do Centro de Política Internacional, onde analisou o impacto da transferência de armas e dos programas de assistência à segurança dos EUA na segurança internacional, na política externa dos EUA e nas práticas globais de direitos humanos.

Artigo publicado originalmente na Inter Press Service

Foto de Capa: Wikipedia

Tagged: , ,

Leave comment