Imagem 1

Integração Sul-americana – Quadro Atual e Perspectivas. Nesta 2a feira, 08/05, às 20h. Participe.

Integração Sul-americana – Quadro Atual e Perspectivas. Nesta 2a feira, 08/05, às 20h. Participe.

Com Tarso Genro, Paulo Abrão e Maria Sílvia Portela de Castro. Diálogos AMSUR. Parceria com Fórum 21 / Fórum Permanente e Rede Estação Democracia. Clique no link pra participar.

https://us02web.zoom.us/j/83580157247?pwd=dzhKNDY2RHZNakVXc0NhcEcycEdJdz09

ID: 835 8015 7247

Senha: 242178

Muito difícil falar-se em integração regional, envolvendo vários países com interesses comuns, no caso da América do Sul, ou América Latina e Caribe, sem uma forte participação do Brasil. A liderança regional brasileira, que havia sido bastante marcante a partir da década de 1980, permitiu que a região, com suas várias leituras regionais, ganhasse protagonismo e densidade econômica e geopolítica. Essa densidade se foi arrefecendo com o desmonte democrático que aconteceu em vários países da região, particularmente no Brasil, reduzindo bastante a importância geopolítica que a região havia conquistado através do fortalecimento de várias estruturas de articulação regional. Envolvendo o Brasil, essas estruturas abrangeram, com papéis distintos, instituições como a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), a União de Nações Sul-Americanas (UNASUL), o Mercado Comum do Sul (MERCOSUL) e a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA). Todas essas instituições perderam protagonismo no período, levando a que os países recuassem para processos de relação fortemente bilaterais, com enorme perda de densidade e influência, e com crescente dependência dos países “centrais” do jogo geopolítico e geoeconômico mundial.

No novo quadro político brasileiro, onde a soberania nacional se está retomando, aliado ao quadro de mesmo caráter que se vem dando em outros países da região, a retomada dos processos e mecanismos de integração regional retoma importância e se vêm desenhando movimentos e articulações nesse sentido, apontando para protagonismos compartilhados em assuntos das relações econômicas e geopolíticas.

Que movimentos são esses? Que caráter possuem? Quais suas possibilidades de avanço e quais suas dificuldades?

Veja Também:  Diálogos AMSUR: As eleições para o Parlamento Europeu e a conjuntura política

Para conversamos sobre esse quadro, contaremos com a participação de:

Tarso Genro, ex-Ministro da Educação, da Justiça e das Relações Institucionais, ex-Governador do Rio Grande do Sul e ex-Prefeito de Porto Alegre

Paulo Abrão, ex-secretário-executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), ex-Secretário Executivo do Instituto de Políticas Públicas e de Direitos Humanos do MERCOSUL e ex-Secretário de Justiça do Brasil

Maria Sílvia Portela de Castro, assessora internacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT-Brasil) e da Coordenadora de Centrais Sindicais do Cone Sul (CCSCS).

Tagged: , ,

Leave comment