Imagem 1

Austrália lidera a luta contra a evasão fiscal das grandes corporações multinacionais

A Austrália está prestes a se tornar o primeiro país ou jurisdição a exigir que grandes corporações multinacionais (MNCs), com uma receita global consolidada de pelo menos AU$ 1 bilhão, informem publicamente país por país (CbC) informações fiscais.  




MELBOURNE e SYDNEY, 6 de fevereiro de 2023 (IPS) – A Austrália está prestes a se tornar o primeiro país ou jurisdição a exigir que grandes corporações multinacionais (MNCs), com uma receita global consolidada de pelo menos AU$ 1 bilhão, informem publicamente país por país (CbC) informações fiscais. 


O novo governo trabalhista anunciou em 25 de outubro de 2022 em seu documento orçamentário que os relatórios fiscais CbC públicos da MNC começarão a partir de 1º de julho de 2023. As regras públicas de relatórios CbC da Austrália se aplicarão a todas as empresas com sede na Austrália e empresas com sede em outro lugar com nexo suficiente país.


O anúncio recebeu muito pouca atenção da mídia, talvez negligenciado como uma emenda técnica. No entanto, os relatórios públicos da CbC podem ser uma arma vital na luta contra a evasão fiscal corporativa na Austrália e, mais importante, em países de baixa renda e altamente endividados que perdem proporções ainda maiores de receita pública para paraísos fiscais.


Todos os países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), incluindo a Austrália e os EUA, exigiram que grandes multinacionais reportassem dados fiscais CbC de forma privada sob a Ação 13 do projeto OCDE/G20 contra a erosão de bases e a transferência de lucros (BEPS). Em novembro de 2022, o Parlamento Europeu aprovou uma diretiva para obrigar os relatórios públicos de CbC para grandes multinacionais dentro do bloco, com uma série de limitações discutidas abaixo, a partir de 22 de junho de 2024.


A decisão australiana ocorre um mês antes de um novo esforço nas Nações Unidas para convocar um órgão tributário global para definir padrões tributários internacionais, após anos de esforços vacilantes entre os países mais ricos do mundo na OCDE.


Perdendo bilhões


Os Paradise Papers e os vazamentos de Luxemburgo do Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo (ICIJ) lançam luz sobre as manobras fiscais de mais de 100 multinacionais. A Apple sozinha transferiu lucros ao redor do mundo para acumular US$ 252 bilhões no exterior. Um estudo do ICIJ de 2021 revelou que, em apenas um ano, as multinacionais transferiram US$ 1 trilhão para o exterior, privando os governos de centenas de bilhões em receita.


A transferência de lucros corporativos, como é chamada a prática, para sonegar impostos, custa aos países US$ 500 bilhões a US$ 650 bilhões em receita tributária perdida anualmente, de acordo com um relatório de um painel de alto nível das Nações Unidas, publicado em 2021.


A pesquisa do Centro Internacional de Responsabilização e Pesquisa de Impostos Corporativos revelou a evasão fiscal por parte de multinacionais que sangraram dinheiro de serviços públicos e trabalhadores, inclusive em lares de idosos assolados por escândalos na Austrália. Ele expôs como a Microsoft recebe bilhões em contratos terceirizados de TI do governo, enquanto obtém mais de AU$ 2 bilhões em lucros por meio de suas subsidiárias com sede nas Bermudas, onde paga poucos impostos.


Quase 800 grandes corporações não pagaram impostos em 2020-21, revela o relatório do Australian Taxation Office. O país perde cerca de AU $ 8 bilhões por ano devido à transferência de lucros das multinacionais.


Os países pobres sangram mais


O estudo de 2021 do ICIJ considera os países africanos os mais “vulneráveis” à transferência de lucros. Em 2017, a Tax Justice Network descobriu que os países de baixa renda foram as maiores vítimas da transferência de lucros.
Em alguns países, como Zâmbia e Argentina, as perdas ultrapassaram 4% do PIB. No Paquistão, as perdas devido à transferência de lucros foram de 40% das receitas fiscais totais e, no Chade, as perdas estimadas foram maiores do que todos os impostos arrecadados (106,2% das receitas fiscais totais)!


O State of Tax Justice 2021 conclui que os países de baixa renda perdem coletivamente o equivalente a 48% de seus orçamentos de saúde pública.


Os países de baixa renda dependem mais fortemente do imposto de renda corporativo para obter a receita necessária para financiar serviços públicos carentes de dinheiro, tornando a transparência tributária corporativa vital para lidar com a pobreza e a desigualdade globais.


Países ricos servindo a interesses corporativos


As regras de tributação internacional foram elaboradas por nações ricas, especialmente por seu clube, a OCDE. Ativistas da justiça tributária, como o African Tax Administration Forum, alegam que os países em desenvolvimento “não estão à mesa” na OCDE, mas no menu, com regras da OCDE projetadas para permitir que as multinacionais continuem a extrair lucros no sul global, sem fazer contribuições justas.


Os padrões da OCDE para relatórios fiscais de multinacionais estão cheios de brechas. Como aponta a Oxfam, as regras da OCDE não permitem que pessoas em países de baixa renda tenham acesso a informações sobre lucros de multinacionais ou impostos pagos em seus países e nem a maioria das autoridades fiscais em países de baixa renda.
Da mesma forma, os relatórios CbC da União Europeia são seriamente diluídos. A transparência fiscal é necessária apenas para os 27 estados membros da UE e as 21 jurisdições listadas negras ou cinzentas em sua lista falha de paraísos fiscais. A Oxfam aponta que isso significa que o sigilo é mantido por mais de 75% dos quase 200 países do mundo. A UE também fornece uma “cláusula de saída corporativa” para “informações comercialmente sensíveis” por 5 anos; e limitar o reporte a empresas com volume de negócios consolidado superior a 750 milhões de euros, excluindo 85 – 90% das multinacionais.


Os sindicatos desempenham um papel fundamental


O movimento trabalhista assumiu a luta para acabar com a evasão fiscal das empresas. A participação do trabalho no PIB vem diminuindo desde o início da década de 1970 nos países avançados e desde o início da década de 1980 nos países em desenvolvimento. Alguns sindicatos reconheceram que a evasão fiscal das empresas corrói as necessidades dos trabalhadores dos serviços públicos e prejudica a negociação coletiva, ao mesmo tempo em que aumenta o poder corporativo.


A federação sindical global, Public Services International (PSI), coordenou a ação sindical para apoiar os relatórios públicos da CbC, entre outras reformas tributárias. A PSI juntou-se ao comitê técnico que elaborou os novos Padrões Fiscais da Global Reporting Initiative (GRI) e trabalhou com fundos de pensão sindicais para respaldar os padrões, que agora são amplamente considerados como a melhor referência para a responsabilidade tributária corporativa.


Na Austrália, a PSI e afiliadas expuseram a evasão fiscal corporativa em cuidados a idosos, empresas de contratação de mão de obra e corporações que recebem grandes contratos do governo e trabalharam com sindicatos para moldar a plataforma política do Partido Trabalhista.
O anúncio reflete uma das recomendações que o PSI e o International Trade Union Congress fizeram ao Tesouro Australiano em sua apresentação sobre a integridade tributária multinacional e maior transparência fiscal.


A Austrália pode liderar?


Desde que foi eleito em maio de 2022, o novo governo australiano buscou melhorar sua posição internacional estabelecendo metas climáticas mais fortes, aumentando o envolvimento com os países das Ilhas do Pacífico e reconstruindo as capacidades do Departamento de Relações Exteriores e Comércio. Se o governo puder cumprir sua promessa de implementar os padrões GRI e exigir relatórios públicos de CbC, terá contribuído significativamente para o bem público global e estabelecido um precedente a ser seguido pela UE e outros países.


Além de estabelecer novos padrões de transparência fiscal, o governo de Albanês deve apoiar a pressão dos países africanos por uma convenção tributária da ONU verdadeiramente inclusiva – que poderia reduzir o escopo de abuso fiscal por parte de multinacionais e indivíduos ricos. Juntas, essas contribuições renderiam mais aos países de baixa renda do que todo o orçamento de ajuda ao desenvolvimento da Austrália.


Kate Lappin é Secretária Regional da Ásia-Pacífico para Serviços Públicos Internacionais (PSI), a Federação Sindical Global que representa mais de 30 milhões de trabalhadores que prestam serviços públicos em 154 países e territórios. Kate chefiou o fórum Ásia-Pacífico sobre Mulheres, Direito e Desenvolvimento (APWLD) por oito anos e trabalhou em movimentos trabalhistas, feministas e de direitos humanos por mais de 20 anos.


Anis Chowdhury é professora adjunta da Western Sydney University. Ele atuou como Diretor das Divisões de Política e Desenvolvimento Macroeconômico e Estatística da UN-ESCAP (Bangkok) e Chefe do Escritório de Financiamento para o Desenvolvimento da UN-DESA (Nova York).


Publicado em IPS – Bureau da ONU

Veja Também:  Mais de meio milhão de pessoas foram desalojadas pela violência no Haiti
Tagged:

Leave comment