Imagem 1

Criminosos de guerra e agressores militares compõem o Conselho de Segurança

Criminosos de guerra e agressores militares compõem o Conselho de Segurança

A sede do Tribunal Penal Internacional, em Haia, na Holanda. Foto: ICC

No dia 1º de abril, a Rússia assumirá a presidência do Conselho de Segurança da ONU por um mês. Não será o primeiro país acusado de crimes de guerra ou acusado de violar a Carta da ONU a ser membro ou presidir o órgão político mais poderoso do organismo mundial. Os EUA o presidiram enquanto…

POR THALIF DEEN

NAÇÕES UNIDAS – No dia 1º de abril, a Rússia assumirá a presidência do Conselho de Segurança da ONU por um mês, segundo uma rotação alfabética que não leva em conta que o país invadiu a Ucrânia em fevereiro do ano passado.

A Rússia não será o primeiro país acusado de crimes de guerra ou acusado de violar a Carta da ONU (Organização das Nações Unidas) a ser membro ou presidir o órgão político mais poderoso do organismo mundial.

Stephen Zunes, professor de Política e Coordenador de Estudos do Oriente Médio da Universidade de San Francisco, nos Estados Unidos, que escreveu extensamente sobre a política do Conselho de Segurança, lembrou à IPS que os Estados Unidos ocuparam a presidência do Conselho de Segurança enquanto cometiam crimes de guerra em Vietnã e Iraque.

A França e a Grã-Bretanha, acrescentou, também ocuparam cargos enquanto cometeram crimes de guerra em suas guerras coloniais. A China ocupou recentemente o cargo, apesar dos crimes de guerra cometidos em Xinjiang.

Portanto, a presidência do Conselho de Segurança (CS) pela Rússia está longe de ser inédita.

“É verdade que a Rússia seria a primeira a anexar ilegalmente um território tomado pela força militar. No entanto, dado que os Estados Unidos reconheceram formalmente as anexações ilegais de Israel e Marrocos de territórios tomados por força militar, não é que a Rússia seja o único membro permanente que pensa que de alguma forma está tudo bem”, afirmou Zunes.

O Tribunal Penal Internacional (TPI) também já acusou vários líderes políticos de crimes de guerra ou genocídio, como o sudanês Omar Hassan al Bahir, o iugoslavo Slobodan Milosevic e o líbio Muammar Gaddafi, antes de um mandado de prisão ser emitido na sexta-feira, 17. contra o presidente russo Vladimir Putin.

Na presidência russa, o vice-porta-voz da ONU, Farhan Haq disse aos repórteres: “Vocês estão bem cientes das regras do Conselho de Segurança, incluindo a rotação alfabética dos membros do Conselho de Segurança para a presidência do Conselho, que é uma política que continua durante toda a vida do Conselho de Segurança. Segurança”.

“E não temos mais nada a dizer sobre isso”, acrescentou, pouco antes do anúncio do ICC.

O TPI acusou Putin de crimes de guerra, emitindo um mandado de prisão contra ele e outro contra a comissária russa para os direitos da criança, Maria Lvova-Belova.

Essas ordens do tribunal de última instância para crimes internacionais graves são especificamente para a remoção ilegal de crianças ucranianas de seu país, dilacerado pela guerra após a invasão russa, em violação da Carta das Nações Unidas.

A Rússia, que não é signatária do Estatuto de Roma que criou o TPI em 1998, rejeitou os mandados de prisão.

Em uma declaração de pré-opinião, o Promotor-Chefe do TPI, Karim Khan, afirmou que “com base nas evidências coletadas e analisadas por meu Gabinete como parte de suas investigações independentes, a Câmara de Questões Preliminares confirmou que há motivos razoáveis para acreditar que o Presidente Putin e A Sra. Lvova-Belova é criminalmente responsável pela deportação ilegal e transferência de crianças ucranianas das áreas ocupadas da Ucrânia para a Federação Russa, em violação do artigo 8.2 a) vii) eb) viii ) do Estatuto de Roma”.

Os incidentes identificados pelo escritório do TPI incluem a deportação de pelo menos centenas de crianças retiradas de orfanatos e lares adotivos.

“Muitas dessas crianças, alegamos, foram dadas para adoção na Federação Russa. A lei foi alterada na Federação Russa, por meio de decretos presidenciais emitidos pelo presidente Putin, para agilizar a concessão da cidadania russa, facilitando a adoção por famílias russas, disse Khan.

Thomas G. Weiss, distinto membro do Conselho de Assuntos Globais de Chicago, considerou em um diálogo com a IPS que a declaração do porta-voz da ONU é totalmente correta.

“Não há precedente para impedir uma presidência rotativa no Conselho de Segurança, e é apenas a mais recente indicação da forma aberrante como foi construída”, disse ele.

Dito isso, o embaixador russo, talvez se contorcendo na cadeira do Conselho de Segurança após o vergonhoso mandado de prisão do TPI contra Putin, observou.

“Embora seja muito improvável que ele vá para Haia tão cedo, a pressão internacional só vai aumentar, vamos lembrar o itinerário de Slobodan Milosevic”, analisou Weis.

Em sua opinião, Moscou está muito descontente com a medida, como estava quando a Assembleia Geral o expulsou sem cerimônia do Conselho de Direitos Humanos no ano passado. “A expulsão da Rússia (ou da Líbia em 2011) foi um precedente importante para outros órgãos da ONU (além do Conselho de Segurança). Moscou odeia ficar isolada e lutou contra a decisão por esse motivo”, acrescentou.

O maior “e se” remonta a dezembro de 1991, quando a então União Soviética implodiu. Foi nessa época que se questionou se a Rússia assumiria automaticamente o posto da União Soviética. James Paul, ex-diretor executivo do Fórum de Política Global, disse à IPS que a campanha militar russa na Ucrânia levantou muitas questões sobre a paz e a segurança internacionais. Inevitavelmente, o debate gerou discussões acaloradas nas Nações Unidas.

Veja Também:  Atletas temem esgotamento pelo calor nos Jogos Olímpicos de Paris

Muitos governos ocidentais e “idealistas liberais” entre seus cidadãos, disse ele, gostariam de punir a Rússia de várias maneiras por meio de sanções e isolamento, esperando que isso faça com que Moscou retire suas forças militares e desista de seus objetivos estratégicos na Ucrânia.

Entre as reivindicações desses setores, há uma proposta de que a Rússia não ocupe em abril a presidência rotativa da CS, da qual é um de seus cinco membros permanentes e com poder de veto – China, França, Estados Unidos, Reino Unido e Rússia – em um corpo de 15 países.

Em sua opinião, “é uma postura que demonstra pouca familiaridade com os assuntos internacionais e o funcionamento dos atores estatais mais poderosos do mundo, inclusive desconhecendo a história militar das potências ocidentais, agora tão preocupadas com as transgressões russas”.

Paul é o autor de «De Foxes and Chickens” (De raposas e galinhas) e “Oligarchy and Global Power in the UN Security Council” (Oligarquia e poder global no Conselho de Segurança da ONU).

Se o Conselho de Segurança, argumentou ele, tivesse negado imparcialmente sua presidência rotativa a membros que violassem a lei internacional, invadissem outros países, mudassem à força as fronteiras de estados soberanos ou tramassem a derrubada de governos eleitos, então todos os membros permanentes da CS teriam perderam a presidência em algum momento.

Sobre o mandado de prisão contra Putin , o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric , lembrou na sexta-feira, 17: «Como já dissemos muitas vezes aqui, o Tribunal Penal Internacional é independente da Secretaria. Não comentamos suas ações.”

Balkees Jarrah, diretor Associado de Justiça Internacional da Human Rights Watch, disse que o anúncio do TPI foi um grande dia para as muitas vítimas de crimes cometidos pelas forças russas na Ucrânia desde 2014, quando a Crimeia foi anexada.

“Com esses mandados de prisão, o TPI fez de Putin um homem procurado e deu seu primeiro passo para acabar com a impunidade que encorajou os perpetradores da guerra da Rússia contra a Ucrânia por muito tempo”, disse ele.

As medidas, observou Jarrah, “enviam uma mensagem clara de que dar ordens para cometer ou tolerar crimes graves contra civis pode levar a uma cela de prisão em Haia”.

“As ordens judiciais são um alerta para aqueles que cometem abusos ou os encobrem para que saibam que seu dia no tribunal pode chegar, independentemente de sua posição ou cargo”, afirmou.

Em um mundo de estados violentos e poderosos, Paul argumenta que a ONU é útil porque pode reunir as partes em conflito e promover a diplomacia e a resolução de conflitos.

“Aqueles que pedem punição para a Rússia devem perceber que os Estados Unidos (se padrões equitativos fossem aplicados) estariam sujeitos a sanções regulares, pois violou a soberania de outros estados com forças militares em muitas ocasiões para perseguir seus próprios interesses”, disse. ele disse.

A guerra do Iraque, disse ele, simboliza o desrespeito dos Estados Unidos pelas regras da ONU e pelas decisões do Conselho de Segurança. As guerras de Washington no Vietnã e no Afeganistão são outras guerras notáveis desse tipo. Existem dezenas de casos, ele insistiu.

“A Grã-Bretanha (Reino Unido) e a França também usaram seus poderosos exércitos, em violação do direito internacional, para levar a cabo guerras sangrentas contra a descolonização, bem como subsequentes intervenções pós-coloniais para garantir o acesso a minas, recursos petrolíferos, etc.” acrescentou Paul.

A Guerra de Suez, lançada contra o Egito em conjunto com Israel, acrescentou o especialista em assuntos globais, foi um clássico do gênero. A Rússia e a China também estiveram envolvidas em operações e intervenções militares, como a intervenção da Rússia no Afeganistão e suas numerosas guerras no Cáucaso.

A China, famosa por promover a integridade territorial como princípio, anexou o Tibete e travou várias guerras com o vizinho Vietnã.

“Assim, os membros permanentes do Conselho de Segurança têm um histórico muito ruim de estabelecer as regras do direito internacional. Mesmo estados menores (com protetores entre os grandes) se envolveram em invasões. Israel, Turquia e Marrocos vêm logo à mente”, analisou Paul.

Sobre a possibilidade de o presidente da Assembleia Geral, o húngaro Csaba Kőrösi, estar disposto a se encontrar com o presidente Putin, sua porta-voz, Pauline Kubia disse que, como presidente, ele representa todos os Estados membros da ONU, incluindo a Rússia. E nessa função, “ele está disposto e continua disposto a se encontrar com o presidente Putin”. (T: MF / ED: EG)

Artigo originalmente publicado na IPS:

Leave comment