Imagem 1

Enorme aumento do crime transnacional no Triângulo Dourado da Ásia

Enorme aumento do crime transnacional no Triângulo Dourado da Ásia

Nos EUA e Canadá, as mortes por overdose, impulsionadas pelo uso não medicinal de fentanil, continuam batendo recordes. Na imagem, comparação das doses letais de heroína, carfentanil e fentanil (Wikipedia/US Drug Enforcement Administration)

Em relatório de junho de 2023, o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) garante que o fornecimento de drogas sintéticas no leste e sudeste da Ásia permanece em “níveis extremos” e que está se diversificando. Tailândia, Laos e Mianmar estão na vanguarda do comércio ilícito na Ásia, dominado por organizações transnacionais do…


Por BAHER KAMAL

MADRI – Como é possível, em um mundo onde a tecnologia é – ou está prestes a ser – capaz de detectar uma formiga na selva, que os traficantes da morte continuem realizando suas lucrativas atividades criminosas, em todos os lugares e em todos os setores, de armas à prostituição, da escravidão às drogas, passando pelos mortais medicamentos falsos, o petróleo, o gás e os alimentos envenenados?

No caso específico da Ásia, uma organização especializada informa que no Triângulo Dourado do continente, onde o ópio foi historicamente cultivado para produzir heroína para exportação, nos últimos anos, o comércio de “drogas sintéticas ainda é mais mortal e lucrativo”.

Em relatório de junho de 2023, o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) garante que o fornecimento de drogas sintéticas no leste e sudeste da Ásia permanece em “níveis extremos” e que está se diversificando.

Intitulado “Drogas Sintéticas no Leste e Sudeste Asiático: Últimos Desenvolvimentos e Desafios 2023”, o relatório confirma a expansão e diversificação da produção e tráfico de drogas sintéticas na região, enquanto as rotas de tráfico mudaram significativamente.

Tailândia, Laos e Mianmar estão na vanguarda do comércio ilícito na Ásia, dominado por organizações transnacionais do crime organizado.

Acesse o documento

Metanfetamina e cetamina

Grandes volumes de metanfetamina continuam a ser produzidos e traficados dentro e fora da região, enquanto a produção de cetamina, uma substância anestésica e outras drogas sintéticas aumentou.

“Grupos do crime organizado transnacional antecipam, adaptam e tentam contornar o que os governos estão fazendo. Em 2022, nós os vimos trabalhar em torno das fronteiras tailandesas no Triângulo Dourado mais do que no passado”, afirmou Jeremy Douglas, representante regional do UNODC para o Sudeste Asiático e o Pacífico.

Os “indesejados” à vista

Os contrabandistas continuaram a enviar grandes volumes através do Laos e do norte da Tailândia, mas, ao mesmo tempo, enviaram um suprimento significativo através do centro de Mianmar para o mar de Andaman, onde parece que poucos estavam olhando.

Douglas acrescentou que grupos criminosos em toda a região também começaram a se mover e se reconectar após o fechamento prolongado de fronteiras pela pandemia, e que os padrões do final de 2022 e início de 2023 estão começando a se assemelhar aos de 2019.

Escondido em “produtos legais”

Por outro lado, drogas sintéticas contendo uma mistura de substâncias e às vezes “embaladas junto com produtos legais” continuam a ser encontradas em todo o leste e sudeste da Ásia, com sérias consequências para a saúde daqueles que usam os produtos, consciente ou inconscientemente.

Além disso, o problema global das drogas ilícitas é uma questão complexa que afeta milhões de pessoas em todo o mundo.

Muitas pessoas que usam drogas enfrentam estigma e discriminação, o que pode prejudicar ainda mais sua saúde física e mental e impedi-las de acessar a ajuda de que precisam, alertou a ONU no Dia Internacional Contra o Abuso e o Tráfico Ilícito de Drogas, na segunda-feira, junho 26.

Aumento “sem precedentes”

O aumento da produção de drogas sintéticas nos últimos anos foi “sem precedentes”, segundo o representante regional do UNODC, também conhecido como UNODC, na sigla em inglês.

Não são apenas as drogas que são traficadas na região: precursores químicos para fabricar drogas sintéticas são transportados ilegalmente para Mianmar em quantidades muito maiores do que as drogas que saem do país, explica o UNODC.

Também tráfico humano, fauna e flora silvestres, madeira…

Com efeito, uma miríade de problemas transfronteiriços, como o tráfico de drogas ilícitas e precursores químicos, o contrabando de migrantes, o tráfico de seres humanos, os crimes contra a vida selvagem e as florestas e, em alguns locais, o movimento de combatentes terroristas a par de questões relacionadas com a saúde pública e pandemias.

Veja Também:  Regime autoritário da Índia começa a desmoronar

O impacto da legalização do uso de cocaína

Segundo o Relatório Mundial sobre Drogas 2022, a legalização da cannabis (maconha) em algumas partes do mundo parece ter acelerado o uso diário e os impactos relacionados à saúde.

Ele também detalha aumentos sem precedentes na fabricação de cocaína, a expansão de drogas sintéticas em novos mercados e as lacunas contínuas na disponibilidade de tratamento de dependência de drogas, especialmente para mulheres.

Segundo o relatório, cerca de 284 milhões de pessoas entre 15 e 64 anos usaram drogas em todo o mundo em 2020, um aumento de 26% em relação à década anterior.

“Na África e na América Latina, os menores de 35 anos representam a maioria das pessoas que recebem tratamento para transtornos relacionados ao uso de drogas”, aponta.

Diante desses resultados, Ghada Waly, Diretora Executiva do UNODC, declarou: “Os números de fabricação e apreensão de muitas drogas ilícitas estão atingindo níveis recordes, mesmo quando as emergências globais estão exacerbando as vulnerabilidades”.

Ao mesmo tempo, percepções errôneas sobre a magnitude do problema e os danos associados estão privando as pessoas de cuidados e tratamento e levando os jovens a comportamentos nocivos, disse Waly.

As principais tendências por região

Em muitos países da África e da América do Sul e Central, a maior proporção de pessoas que recebem tratamento para transtornos relacionados ao uso de drogas é principalmente relacionada ao uso de cannabis. Na Europa Oriental e do Sudeste e na Ásia Central, a maioria das pessoas que recebe tratamento o faz para transtornos por uso de opioides.

Nos Estados Unidos e no Canadá, as mortes por overdose, impulsionadas predominantemente por uma epidemia de uso não médico de fentanil, continuam quebrando recordes. Estimativas preliminares nos Estados Unidos apontam para mais de 107.000 mortes por overdose em 2021, contra quase 92.000 em 2020.

Zonas de conflito, imãs para a produção de drogas sintéticas

O relatório deste ano também destaca que as economias de drogas ilícitas podem florescer em situações de conflito e onde o estado de direito é fraco e, por sua vez, podem prolongar ou alimentar conflitos.

Informações do Oriente Médio e Sudeste Asiático indicam que situações de conflito podem funcionar como um imã para a fabricação de drogas sintéticas, que podem ser produzidas em qualquer lugar. Esse efeito pode ser maior quando a zona de conflito está próxima a grandes mercados consumidores.

Historicamente, as partes em conflito usaram drogas para financiar o conflito e gerar renda. O Relatório Mundial sobre Drogas 2022 também revela que os conflitos podem igualmente interromper e deslocar as rotas do narcotráfico, como ocorreu nos Bálcãs e, mais recentemente, na Ucrânia.

Possível capacidade crescente de fabricar anfetaminas na Ucrânia

De acordo com o relatório do UNODC, “houve um aumento significativo no número de laboratórios clandestinos relatados na Ucrânia, disparando de 17 laboratórios desmantelados em 2019 para 79 em 2020”.

Além disso, “67 desses laboratórios produziram anfetaminas, em comparação com cinco em 2019, o maior número de laboratórios desmantelados relatados em um determinado país em 2020”, acrescenta.

Diferença de gênero nos tratamentos

As mulheres ainda são a minoria dos usuários de drogas em todo o mundo, mas tendem a aumentar sua taxa de uso de drogas e progredir para transtornos de uso de drogas mais rapidamente do que os homens.

Estima-se que as mulheres representem atualmente entre 45 e 49% dos usuários de anfetaminas e estimulantes farmacêuticos, bem como de opioides farmacêuticos, sedativos e tranquilizantes.

A lacuna de tratamento continua grande para as mulheres em todo o mundo. Embora as mulheres representem quase um em cada dois usuários de anfetaminas, elas representam apenas uma em cada cinco pessoas em tratamento para transtornos por uso de anfetaminas.

O Relatório Mundial sobre Drogas também destaca a ampla gama de papéis que as mulheres desempenham na economia global da cocaína, incluindo cultivo de coca, transporte de pequenas quantidades da droga, venda a consumidores e contrabando nas prisões.

Artigo publicado originalmente na Inter Press Service.

Tradução: Tatiana Carlotti

Tagged: , , ,

Leave comment