FAO lança três programas no valor de 2,9 bilhões de dólares

FAO lança três programas no valor de 2,9 bilhões de dólares

Ao todo, serão financiados 48 projetos para beneficiar 4,2 milhões de pessoas em cinco regiões diferentes do globo e restaurar mais de 474.000 hectares de terra.

POR CORRESPONDENTE IPS

ROMA – Três grupos de projetos sobre sistemas alimentares, oceanos limpos e saudáveis, e ligações terra-água na Ásia Central, com recursos previstos em 2,9 bilhões de dólares, começarão a ser desenvolvidos pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

María Helena Semedo, Diretora-Geral Adjunta da FAO, afirmou que “estes projetos, que trabalharão em estreita colaboração com parceiros e países no local, têm o potencial de melhorar milhões de vidas através da transformação dos sistemas agroalimentares”.

“Ao mesmo tempo, eles ajudam a alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”, acrescentou, ao receber com satisfação a aprovação dos projetos pelo Global Environment Facility.

São 48 projetos, com 294 milhões de dólares do Fundo e cerca de 2,6 bilhões de dólares em co-financiamento, que vão beneficiar 4,2 milhões de pessoas em cinco regiões diferentes do mundo e restaurar mais de 474.000 hectares de terra.

Esses projetos também vão melhorar as práticas em 24 milhões de hectares de habitats terrestres e marinhos, e a gestão de mais de dois milhões de hectares de áreas protegidas terrestres e marinhas; além de mitigar 133 milhões de toneladas de emissões de gases com efeito de estufa; e eliminar 202 toneladas de agroquímicos perigosos.

O Programa de Sistemas Alimentares, juntamente com o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), fornecerá 252 milhões de dólares em financiamento de projetos e 2,2 bilhões de dólares em co-financiamento a 32 países.

Ele foca na transformação dos sistemas agroalimentares, do campo ao prato, para que eles sejam sustentáveis, positivos para a natureza, resilientes, inclusivos e não poluentes, indica a FAO.

O programa também proporcionará benefícios para a biodiversidade ao abordar a degradação dos solos e as alterações climáticas, juntamente com a melhoria da segurança alimentar, nutrição, rendimento, sustentabilidade dos meios de subsistência e resiliência.

Ele será executado mediante projetos em 22 países, cinco acontecem na América Latina: Angola, Argentina, Benin, Butão, Chile, China, Equador, Eswatini, Filipinas, Índia, Indonésia, Ilhas Salomão, Cazaquistão, México, Namíbia, Nigéria, Paquistão, Peru, Sri Lanka, África do Sul, República Unida da Tanzânia e Turquia.

O programa centra-se em oito cadeias de valor e setores agroalimentares: milho, arroz, trigo, cacau, óleo de palma, soja, pecuária e aquicultura.

Veja Também:  Quando o homem que construiu as bombas conheceu o homem que as lançou…

Já o Programa Oceanos Limpos e Saudáveis receberá 100 milhões de dólares ​​para financiar projetos em 14 países, com cofinanciamento de 748 milhões de dólares, para reduzir a poluição oceânica de origem terrestre em nove grandes ecossistemas marinhos.

Elas incluem as áreas da Baía de Bengala, do Mar da China Meridional, do Caribe, do Mar Vermelho, do Mar Negro, da Corrente de Humboldt, da Corrente das Agulhas e da Plataforma Norte Brasileira.

O programa aborda as zonas mortas marinhas, reduzindo as fontes terrestres de poluição provenientes da agricultura (utilização excessiva de fertilizantes, poluição pecuária) e de fontes industriais e municipais (águas residuais não tratadas).

A iniciativa pretende criar um ambiente propício à promoção dos objetivos sustentáveis ​​da economia azul dos países. Estão previstas melhorias na gestão de mais de 520 mil hectares de terras e de 423 mil hectares de áreas marinhas protegidas, e a restauração de 97 mil hectares de diversos ecossistemas.

A FAO implementará projetos no Sri Lanka, Venezuela e Vietnã, e os seus parceiros em Granada, Jordânia, Madagáscar, Maldivas, México, Moldávia, Panamá, Peru, São Cristóvão e Nevis, Tailândia e Trinidad e Tobago.

Por fim, o Programa de Ligação Terra-Água da Ásia Central atribuirá 26 milhões de dólares (com 335 milhões de dólares em co-financiamento) ao Cazaquistão, Quirguizistão, Tajiquistão, Turquemenistão e Uzbequistão para restaurar ecossistemas nas bacias dos rios Amu Darya e Syr. Darya, e melhorar a água. segurança.

As bacias do Amu Darya e do Syr Darya são a principal fonte de água para estes cinco países, e apoiam cerca de 60 milhões de pessoas e grande parte de sua agricultura e geração de energia, além de serem fundamentais para outros serviços ecossistêmicos e meios de subsistência.

Artigo publicado originalmente na Inter Press Service.


FOTO EM DESTAQUE: O cacau é um dos setores cuja cadeia de valor procura ser promovida com novos projetos da FAO. Este ano, iniciam-se programas combinados entre aquela organização e o Fundo Global para o Meio Ambiente que visam travar a degradação dos solos e dos espaços aquáticos e, ao mesmo tempo, promover a produção agrícola. Imagem: FAO

Tagged:

Leave comment