Imagem 1

Mais de 100 civis morrem e ONU exige cessar-fogo no Sudão

Mais de 100 civis morrem e ONU exige cessar-fogo no Sudão

Fumaça sobe após um bombardeio no bairro de Al-Tajif em Cartum, capital do Sudão, após três dias de luta em uma luta pelo poder que eclodiu entre uma milícia regional e o exército regular. Dezenas de civis morrem e a ONU exige um cessar-fogo e que as partes resolvam o conflito pelo diálogo. Foto: ONU

NAÇÕES UNIDAS – O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, voltou a apelar à cessação imediata dos combates no Sudão, [ao norte da África], que já causaram a morte de mais de 100 civis e se intensificaram esta segunda-feira, dia 17, pelo terceiro dia consecutivo.

“Condeno fortemente o início dos combates no Sudão e apelo aos líderes das Forças de Apoio Rápido (RSF) e das Forças Armadas Sudanesas (FAS) para cessarem imediatamente as hostilidades, restabelecerem a calma e iniciarem um diálogo”, disse Guterres. A situação “já causou uma terrível perda de vidas, incluindo muitos civis, e qualquer nova escalada pode ser devastadora para o país e a região”, observou, antes de discursar na abertura de um fórum da ONU sobre financiamento para o desenvolvimento.

Segundo informações recebidas em seu gabinete, os combates estão ocorrendo na capital Cartum, seus arredores e em outras cinco províncias daquele país africano de 1,8 milhão de quilômetros quadrados e 48 milhões de habitantes.

A RSF é uma milícia que se desenvolve desde 2013 na província ocidental de Darfur, e é liderada pelo general Mohamed Dagalo, que rompeu com o governo de fato do general Abdel Fatah al-Burhan, que tomou posse como presidente em 2021, em um clima de protestos entre a população civil.

Os confrontos começaram devido a confrontos sobre a integração entre as duas forças e a distribuição de poder e áreas de controle, segundo relatos da imprensa que mostram que os ataques incluem o uso de artilharia e bombardeios de aviação.

As agências humanitárias da ONU relataram a morte de 83 civis nos dois primeiros dias de combate, mas o número de mortos já passa de 100, segundo outras fontes, e também há cerca de 1.200 feridos.

Veja Também:  A guerra priva crianças de educação nos campos de deslocados da Síria

Em meio ao fogo cruzado, morreram, na região de Darfur, três empregados do Programa Mundial de Alimentos (WFP, em inglês), agência que trabalha em comunidades do Sudão afetadas por prolongadas secas e em situação de insegurança alimentar que atinge 15 milhões de pessoas em todo o país.

“Estou horrorizado e com o coração partido pela trágica morte de três funcionários do WFP no sábado, 15 de abril, em Kabkabiya, no norte de Darfur, enquanto realizavam suas tarefas de salvar vidas na linha de frente da crise global da fome”, disse seu diretor executivo Cindy McCain, em um comunicado.

O Conselho de Segurança da ONU, a União Africana, a Liga Árabe, vários governos ocidentais e até os talibãs que governam o Afeganistão apelaram para o fim dos confrontos e o diálogo.

Em Cartum e outras cidades, a população civil se confinou em casa, e a Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta para o “grave risco dos que precisam de cuidados médicos urgentes” frente à dificuldade de se encontrar médicos, enfermeiros, pacientes e ambulâncias até os centros de saúde.

A OMS alerta que os suprimentos distribuídos às unidades de saúde antes da recente escalada do conflito “estão agora esgotados”.

Vários hospitais entre os nove em Cartum que recebem civis feridos relatam escassez de sangue, conjuntos de transfusão, fluidos intravenosos, suprimentos médicos e outros itens essenciais para salvar vidas, bem como escassez de pessoal médico especializado, agravado pela escassez de água e eletricidade.

O representante especial do secretário-geral para o Sudão, Volker Perthes, disse em comunicado na segunda-feira, que continua comprometido com os parceiros sudaneses, regionais e internacionais para trabalhar para acabar com os combates. Guterres garantiu estar em contato com outros líderes regionais e reiterou o compromisso das Nações Unidas em apoiar o povo do Sudão “nos seus esforços para restabelecer uma transição democrática e concretizar as suas aspirações de construir um futuro pacífico e seguro”.

AE/HM

Tagged: ,

Leave comment