Imagem 1

Programas: 30 de março a 7 de abril

Programas: 30 de março a 7 de abril

Destaques da programação da semana de ações de repúdio ao autoritarismo, ao fascismo, ao ódio e ao extremismo

*Hoje, logo mais à noite, 22 horas, na série de programas Passado Presente, na TV Brasil,  o tema do debate com Frei Betto e Pastor Ariovaldo será “O papel da Religião nas Lutas por Direitos”, que sucederá à exibição do filme Batismo de Sangue.

*Amanhã, sexta, dia 31, A flecha e a farda. Tema: “Amazônia ontem e hoje”, com debatedores Maíra Pankararu e Cecília Adão. E sábado, dia 1º, o filme Missão 115 e debate com o tema ‘‘Bolsonarismo e o 8 de Janeiro”. Todos mediados pela jornalista Cristina Serra.

*Fechando a semana de ações de repúdio ao autoritarismo, ao fascismo, ao ódio e ao extremismo, em São Paulo, a 3ª Caminhada do Silêncio se inicia a partir das 16 horas, domingo próximo, no Parque Ibirapuera e proximidades.

*Na capital da República, Nunca Mais! é o lema da manifestação da Frente Antifascista do Distrito federal a partir das 17 horas, dia 31, na Praça Zumbi dos Palmares.

*Grandes mobilizações populares estão sendo organizadas para amanhã, sexta-feira, dia azíago de 31 de março de 64, em pelo menos sete capitais brasileiras. Os atos são organizados pela Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo entre outras dezenas de entidades como a Central Única dos Trabalhadores (CUT).  Não esquecer jamais. Nunca Mais! Não à Anistia. A memória não está sufocada.

*Para a semana que vem: Dedo na ferida, exibição do clássico documentário e um dos mais importantes de Silvio Tendler, dia 4 próximo, no cinema Net Rio, em Botafogo, Rio de Janeiro. A sessão é organizada pelo Cineclube Futuro e o cineasta estará presente nos debates. Clique aqui para ler a resenha de Dedo na Ferida.

*São protagonistas do doc de Tendler: Costa Gavras, Yanis Varoufakis, Celso Amorim, João Pedro Stédile, Paulo Nogueira Batista, Raquel Rolnik, Laura Carvalho e mais onze companheiros que demonstram como as grandes corporações se tornaram governos-sombra ao sequestrar o estado de bem estar e a justiça social.

*Um programa é a sugestão de Os tempos da Tortura, de Alex Polari. O volume foi leitura obrigatória de milhares de estudantes brasileiros e brasileiras durante os anos 70/80. Nele está o comovente e famoso poema Canção para ”Paulo” em memória ao seu amigo de infância Stuart Angel que não resistiu à tortura à qual foi submetido no pátio interno da Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro, durante a ditadura. Até hoje Stuart é dado como ”desaparecido político”, mas o seu martírio foi presenciado por Polari, entre as grades da janela da sua cela em que ele também era prisioneiro da Aeronáutica.

*Outro trabalho do poeta Polari, que viveu nove anos encarcerado, é Inventário de Cicatrizes. Uma coletânea de versos duros e tristes dessa sua preciosa literatura de testemunho. O Guia da Floresta, também do autor, é da Editora Record e os demais, da Global Editora.

*Para quem estiver visitando Paris ou brasileiro morador da capital francesa: dia 4, início do Festival de Cinéma Brésilien de 2023, que vai até o próximo dia 11 de abril. O canto livre de Nara Leão e Vale tudo com Tim Maia, este produzido em 2022, estão na mostra.

*Terra e Capitalismo é o livro recém lançado de Cristiane Checcia, diretora do Instituto para Democratização da Educação no Brasil e professora de História da Escola Waldorf São Paulo no qual ela discute a questão agrária na América Latina como ferramenta para entender os violentos antagonismos de classes  nos países latino-americanos com origem na gritante desigualdade decorrente da formação dos grandes latifúndios (Editora Alameda).

Veja Também:  Programas - de 13 a 21 de junho

*Na Semana do Nunca Mais, homenagens na ponte Honestino Guimarães, em Brasília, ao líder estudantil que morreu assassinado no Rio de Janeiro (anistiado pós mortem), durante a ditadura civil-militar de 64, depois de declarado desaparecido durante duas décadas. Antes, a ponte era batizada com o nome de um mais cruéis presidentes-generais do período ditatorial.

*No Candlelight do próximo dia 25 de abril haverá um Tributo a ColdPlay, uma das mais admiradas bandas pop de hoje. No Teatro do Jóquei Clube do Rio de Janeiro.

*Sugestão de leitura: Carmen e Seus Afetos sobre a antropóloga Carmen Junqueira, referência em estudos de etnologia indígena,  acaba de ser lançado na PUC/São Paulo. Produzido pela Editora da Ufam, Fundação Universidade do Amazonas e pela Alexa Cultural, traz textos, poesias e vivências de 36 autores sobre seu trabalho e é homenagem aos recém festejados 90 anos da autora. O volume, gratuito, está disponível online. “Carmen chega aos 90 anos de idade com imensa bagagem e disposição de se manter ensinando e contribuindo para a sociedade da América Latina e suas populações autóctones”, diz o professor Renan Albuquerque, um dos organizadores da publicação.

*Iniciada na quarta-feira de cinzas, a Campanha da Fraternidade promovida pela CNBB este ano ”coincide com a prioridade mais em destaque do governo Lula: retirar, de novo, o Brasil do Mapa da Fome da ONU que tinha sido (re)incluído na trágica relação após o golpe que derrubou a presidente Dilma em 2016”, escreve o jornalista, escritor, ex-diretor nacional da Juventude de Esquerda Católica (a JEC) e frade dominicano Frei Betto, que também sublinha: ”Não falta comida no Brasil e no mundo. Falta justiça”.

*O mais recente livro de Frei Betto, que foi preso e torturado durante a ditadura civil-militar de 64, é Tom vermelho do Verde (da Rocco). Assim como os seus outros trabalhos – Cartas da prisão, Batismo de Sangue e Diário de Fernando – são encontrados na livraria virtual freibetto@org

*O romance Chuva de Papel (da Cia. das Letras) acaba de ser lançado e é leitura especial. A autora é a premiada pernambucana Martha Batalha, criada no Rio de Janeiro, que tem em A Vida Invisível de Eurídice Gusmão o seu grande sucesso literário; o mesmo que originou o belo filme homônimo de Karim Aïnouz premiado no Festival de Cannes.  A história dessa vez acompanha o repórter policial Joel Nascimento, de mais de 70 anos, barrigudo e decadente, que chega à conclusão de que tirar a própria vida é sua melhor opção. Será?

*Lembramos que os romances de Martha, finalista do Premio Jabuti de 2019 e também jornalista, estão publicados em mais de 18 países. No próximo dia 11 de abril, às 19h30, a autora estará no Auditório da Cemig, em Belo Horizonte, para conversar com seus leitores no programa Sempre um papo. A entrada é gratuita.

*Descanse em paz, Juca Chaves, depois de ter proporcionado tantos programas e tantos risos à multidão dos seus fãs.

(L.M.A.R.)

*As informações acima são fornecidas por editoras, produtoras e exibidoras.

Tagged: , , , , , , , , , , ,

Leave comment