Chile, 50 anos do golpe: Um dia que será referência pros Direitos Humanos no Brasil

Chile, 50 anos do golpe: Um dia que será referência pros Direitos Humanos no Brasil

Sílvio Almeida e Flavio Dino se comprometem com a criação do Museu da Memória e dos Direitos Humanos

O dia 10 de setembro de 2023 amanheceu mais frio e nublado do que de costume, com previsão de muita chuva no Chile.

Os cerca de 160 ex-exilados brasileiros e acompanhantes, bem agasalhados, deixaram as dependências internas do Museo de la Memoria y Derechos Humanos – muitos com os olhos lacrimosos – e acomodaram-se em volta do tablado em que se daria o ato de abertura da Exposição Fotoperiodismo y ditadura: Brasil 1964 / Chile 1973 de Evandro Teixeira (promoção do próprio Museu chileno e da Embaixada do Brasil em Santiago).

Um evento que poderia ter sido meramente protocolar – com falas que fariam contraste entre o dia frio e os corações quentes – se transformou num ato político de forte significado devido à presença e discursos dos Ministros Silvio Almeida, dos Direitos Humanos e Cidadania, e Flávio Dino, da Justiça e Segurança Pública, representando o Presidente Lula, que estava no G20.

O ministro Silvio fez um discurso abrangente, de visão sociológica e politica, reforçando e reafirmando os compromissos do governo brasileiro com os Direitos Humanos e a Democracia.

Ao relatar a primeira visita que fizera, há muitos anos, em caráter pessoal, ao Museo de la Memoria y Derechos Humanos, revelou que ela teve tal significado para a sua vida que simplesmente a transformou.

Disse ele: aprendi, na ocasião, não só para que servem os museus, todos os museus, mas em especial para que serve um museu dedicado à memória e aos direitos humanos. E concluiu afirmando que o Brasil está atrasado historicamente, mas terá também o seu Museu da Memória e dos Direitos Humanos.

Veja Também:  A esquerda na encruzilhada?

O Ministro Flávio Dino, em uma fala politicamente contundente (assista abaixo), pegou a dica e reforçou o compromisso, afirmando que Sílvio Almeida, Nilmário Miranda e a equipe do Ministério dos Direitos Humanos vão entrar com a concepção, o talento, as diretrizes gerais e o Ministério da Justiça vai providenciar as verbas e o que for necessário para a construção do Museu da Memória e dos Direitos Humanos no Brasil.

O ato terminou com a fala do homenageado, Evandro Teixeira, curta, mas transbordante de emoção, e todos se dirigiram aos painéis da exposição de fotos para viver o impacto de momentos históricos registrados com coragem e maestria.

*Fotos de Amanda Leal

Tagged: , , , , , , ,

Leave comment