Imagem 1

Crime na Ditadura: 50 anos sem corpo e sem verdades – Gildo Macedo Lacerda, Presente! 

Crime na Ditadura: 50 anos sem corpo e sem verdades – Gildo Macedo Lacerda, Presente! 

O Memorial da Resistência de São Paulo e o Núcleo de Preservação da Memória Política convidam para mais uma edição do Sábado Resistente, no próximo dia 28 de outubro, às 14 horas.

O Memorial da Resistência de São Paulo, equipamento da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo e o Núcleo de Preservação da Memória Política convidam para o Sábado Resistente, no próximo dia 28 de outubro, às 14h, no Auditório do 5º andar do Memorial da Resistência, Largo General Osório, 66, ao lado da Sala São Paulo (com acesso pela passarela do Estação da Luz).

O evento será realizado de forma híbrida (presencial e online), com transmissão através dos canais do Youtube do Núcleo Memória @nucleomemoria, Youtube do Memorial da Resistência @memorialdaresistencia e Facebook do Tutaméia @tutameiaTV.

Nesta tarde faremos uma homenagem ao valoroso combatente da resistência à ditadura militar Gildo Macedo Lacerda, que foi estudante de economia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e dirigente da Ação Popular Marxista Leninista (APML). Eleito em 1969 vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), foi cassado e expulso da Universidade pelo decreto 477. 

Nascido em 1949, Gildo foi preso na cidade de Salvador, em 22 de outubro de 1973, quando tinha 24 anos de idade. Levado às dependências do DOI-Codi, que se situava no quartel-general do IV Exército (Recife), sofreu violentas torturas que levaram à sua morte no dia 28 do mesmo mês, tendo sido enterrado como indigente. Sua família nunca conseguiu reaver seu corpo, figurando Gildo na lista dos desaparecidos políticos até hoje.

A homenagem que será prestada a Gildo neste Sábado Resistente deve-se, também, aos 50 anos de sua morte. O diálogo entre os convidados à mesa buscará enfatizar o significado de todos os tipos de resistências que tivemos no país durante os anos do regime ditatorial e seus legados nos dias de hoje. Nesta tarde, também serão lançados os livros “Pela memória de um paí[s]: Gildo Macedo Lacerda, presente!”, de Tessa Moura Lacerda, e “A revolta das vísceras e outros textos”, de Mariluce Moura.

Participarão da mesa de debate: Mariluce Moura, companheira de Gildo; Tessa Moura Lacerda, sua filha; e os seus companheiros Nilmário Miranda, hoje exercendo as funções de assessor sobre Memória Verdade e Justiça no Ministério de Diretos Humanos e Cidadania;  Liam Andrade, jornalista;  e Maria Amélia Telles, representando a Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos.

PROGRAMAÇÃO

14:00/14:20 – Palavras de boas-vindas – Julia Gumieri (Pesquisadora do Memorial da Resistência) e César Novelli (Historiador do Núcleo Memória)
14:20/15:30 – Formação da mesa e palavras dos convidados
15:30/16:30 – Debate
16:30 – Lançamento dos livros: Pela memória de um paí[s]:
Gildo Macedo Lacerda, presente!, de Tessa Moura Lacerda e A revolta das vísceras e outros textos, de Mariluce Moura (segunda edição do romance premiado em 1982)

Veja Também:  Diálogos AMSUR: As eleições para o Parlamento Europeu e a conjuntura política

CONVIDADOS

Mariluce Moura – viúva de Gildo, jornalista de ciência, pesquisadora e professora titular aposentada da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Diretora-presidente do Instituto Ciência na Rua, dedicado ao jornalismo científico voltado ao público jovem (www.ciencianarua.net). Criou e foi diretora, de 1999 a 2014, da revista Pesquisa Fapesp, editada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Antes do jornalismo científico, atuou por 20 anos, até 1989, no jornalismo geral e econômico em grandes jornais e revistas brasileiros. Autora do livro A revolta das vísceras e outros textos, segunda edição do romance premiado em 1982, objeto de duas teses recentes de doutorado (2015 e 2023), acrescido com alguns textos políticos e críticos.

Tessa Moura Lacerda – filha de Gildo Macedo Lacerda, Professora do Departamento de Filosofia da USP, membro do Grupo de Estudos Espinosanos da USP, coordenando o NÓS – Grupo de estudos sobre Feminismos. Preside a Comissão de Defesa de Direitos Humanos da FFLCH-USP e é membro da diretoria da Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia (Anpof). Autora do livro Pela memória de um paí[s]: Gildo Macedo Lacerda, presente!

Nilmário Miranda
– ex-preso político, foi deputado estadual entre os anos de 1987-1990 e deputado federal entre 1991 e 2003. Foi Secretário de Estado de Direitos Humanos no governo Luiz Inácio Lula da Silva e candidato ao governo de Minas Gerais em 2002 e 2006. Foi presidente da Fundação Perseu Abramo e hoje integra seu Conselho Curador. Atualmente é assessor especial do Ministro Silvio Almeida no Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania.

Maria Amélia de Almeida Telles, ex-presa política, militante política feminista há mais de 50 anos. Fundadora e presidenta honorária da União de Mulheres de São Paulo, coordenadora do Projeto Promotoras Legais Populares e integrante da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos. Autora de diversos livros sobre feminismo e direitos humanos das mulheres.

Liam Andrade
,  socióloga e jornalista, militante desde a idade de 16 anos em Minas Gerais,  foi contemporânea de Gildo.  Organiza espaços para imersões político-culturais (urbano e rural em São Paulo).

MEDIAÇÃO

César Novelli Rodrigues – Historiador e membro do Núcleo Memória, atuando em ações educativas em lugares de memória e integrante  da equipe de pesquisa de conteúdo para o Memorial da Luta pela Justiça.

SERVIÇO

Memorial da Resistência de São Paulo
Largo General Osório, 66 • Santa Ifigênia
Telefone: 55 11 3335-5910 • Entrada Gratuita
Aberto de quarta a segunda (fechado às terças), das 10h00 às 18h00
[email protected]
[email protected]


Núcleo de Preservação da Memória Política
Av. Brigadeiro Luis Antonio 2.050 • Bloco B cjto 92
São Paulo, SP • (+55) (11) 2306-4801 • Whatsapp (11) 96335-3797
www.nucleomemoria.com.br

Tagged:

Leave comment