Peronismo detém a extrema-direita na Argentina

Peronismo detém a extrema-direita na Argentina

Sergio Massa obteve quase 9,7 milhões de votos (36,7%), Javier Milei 7,9 milhões (30%) e Patricia Bullrich 6,2 milhões (23,8%) nas eleições argentinas no último domingo (22). No parlamento, o peronismo elege 34 das 72 cadeiras no Senado e 107 das 257 cadeiras da Câmara dos Deputados.

CORRESPONDENTE IPS

BUENOS AIRES – O movimento peronista deteve a onda de extrema-direita que eclodiu na Argentina, e seu candidato e Ministro da Economia, Sergio Massa, superou amplamente o fenômeno ultraliberal Javier Milei no primeiro turno das eleições presidenciais de domingo, 22 de outubro.

Massa obteve quase 9,7 milhões de votos (36,7%) e Milei 7,9 milhões (30%), seguido por Patricia Bullrich (direita tradicional) com 6,2 milhões (23,8%), Juan Schiaretti (dissidente peronista) com 1,8 milhão (6,7%) e Miriam Bregman (à esquerda) com 710 mil votos (2,7%).

Como nenhum dos candidatos obteve mais de 45% dos votos – ou pelo menos 40% e 10 pontos acima do seu rival mais próximo -, de acordo com a lei, haverá um segundo turno eleitoral no dia 19 de novembro, a ser acertado entre Massa e Milei.

O resultado reverteu os números das primárias obrigatórias realizadas em 13 de agosto, quando Milei surpreendeu ao ficar em primeiro lugar com 30,3% dos votos, Bullrich em segundo com 28,2% e Massa em terceiro com 27%.

A nova virada é ainda mais surpreendente dado que Massa é o ministro da Economia no gabinete do presidente peronista Alberto Fernández, sob cujo governo desde 2019 a inflação subiu para 140% ao ano, o valor da moeda passou de menos de 60 para quase 1.000 por ano.dólar, e 40% dos 46 milhões de argentinos estão na pobreza.

Milei criou o grupo La Libertad Avanza e cresceu dramaticamente ao capitalizar a indignação de grande parte da população com a crise, que crescia incessantemente e sem solução à vista nas mãos da política e das instituições tradicionais. Economista de 53 anos, cabelo bagunçado e palavras ofensivas, sucesso no rádio e na televisão, Milei se ofereceu para desmantelar a burocracia eliminando ministérios e programas assistenciais, fechar o Banco Central, permitir o porte de armas, a venda de órgãos e alinhar o país com a política dos países estrangeiros dos Estados Unidos e de Israel.

Este radicalismo ganhou adeptos à custa da direita convencional, que governou antes de Fernández com Mauricio Macri (2015-2019), reunindo-se na coligação Juntos pela Mudança, que há meses parecia destinada a regressar ao poder, devido à gestão errática do governo, mas agora pode desmoronar em derrota.

O peronismo, durante quase 80 anos um movimento político majoritário, deu nova demonstração de sua capacidade de superar dissidências entre tendências – uma série de correntes de esquerda, direita e interesses regionais e setoriais – e de se conectar com os setores mais desfavorecidos da população.

A sua coligação União pela Pátria mobilizou-se alarmada e ao mesmo tempo favorecida pelas ameaças de Milei, no sentido de que desmantelaria os benefícios sociais e as conquistas trabalhistas, alcançadas durante décadas – como a prestação gratuita de muitos serviços de educação e saúde – e que acima de tudo todos afetam os setores mais pobres.

La experimentada maquinaria peronista se ativo com ênfase onde nasceu, no conjunto bonaerense de bairros populares que rodeia a capital e contém 24% da população do país. O resultado foi exitoso e pode aumentar em 2,5 milhões a votação recebida nas primárias de agosto.

Na mesma noite de domingo, dia 22, começou uma nova batalha entre Massa e Milei pelos votos que foram para os candidatos perdedores e que ficarão encarregados de ungir um deles como presidente.

Massa, um advogado de 51 anos que passou por vários grupos do espectro político argentino e ocupou cargos em diferentes administrações, estendeu a mão ao “Juntos pela Mudança” e a outros grupos que oferecem “um governo de unidade nacional, para governar com os melhores, independentemente da sua força política.”

Possivelmente irá drenar os votos de Schiaretti – forte governador de Córdoba, a segunda província mais populosa – e de Bregman, mas acima de tudo deve trabalhar com os das forças tradicionais de centro-direita que sempre se opuseram ao peronismo.

Bullrich, de 67 anos, ela própria peronista na juventude, já afirmou que “nunca seremos cúmplices do populismo ou das máfias que destruíram este país”.

Milei, por sua vez, passou a praticar a moderação nas críticas à “casta” política – fez campanha com uma serra elétrica para mostrar que destruiria a todos – e observou que “dois terços dos argentinos votaram por uma mudança, uma alternativa” a este governo “de criminosos que querem hipotecar o nosso futuro.”

Os analistas já estão detalhando os dados de votação recebidos por todos e uma soma esquemática dos números resultaria na vantagem e até na vitória de Massa, mas é cedo para prever o que pode acontecer nas quatro semanas que faltam para a eleição final.

Resultados no Parlamento

As eleições de 22 de outubro também renovaram o parlamento bicameral e alguns governos. O peronismo manteve a província mais populosa, Buenos Aires.

De acordo com os resultados provisórios, no Senado com 72 cadeiras e onde o quórum é de 37, o peronismo ocupará 34 cadeiras, a direita tradicional 24, a extrema-direita oito e os grupos minoritários seis. Na Câmara dos Deputados que tem 257 cadeiras, o peronismo ocupará 107, a direita tradicional 94, a extrema-direita 39 e os demais grupos 17.

De qualquer forma, já está confirmado que o peronismo mantém o seu establishment social e a sua força eleitoral, e que a direita radical ou extrema-direita ocupa um espaço importante após 40 anos de retorno da democracia na Argentina, após a ditadura militar entre 1976 e 1983.


O peronista Sergio Massa, ministro da Economia numa Argentina duramente atingida por uma crise económica e social, liderou o ultraliberal Javier Milei na primeira volta das eleições presidenciais de 22 de outubro. Ambos irão para um segundo turno final em 19 de novembro. Imagem: Comando Massa

Tagged: , ,

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.