Imagem 1

Os europeus estão aprendendo o que são os extremos climáticos

Os europeus estão aprendendo o que são os extremos climáticos

Agora, os cidadãos europeus estão se dando conta de que eles também sofrem as consequências das mudanças climáticas, que provoca cada vez mais vítimas humanas, econômicas e ambientais.

POR BAHER KAMAL

MADRI – Peço desculpas aos políticos e à mídia ocidentais que continuam a dizer que a brutal guerra por poderes da Ucrânia está por trás de qualquer catástrofe, desastre ou crise que ocorra no planeta.

Isso é exato?

Evidências científicas confirmam que, muito antes dessa guerra, a Europa, como muitas outras regiões, já caminhava à beira de consequências climáticas extremas.

A pior seca na Europa em 500 anos?

“O episódio de seca que afetou a Europa em 2022 pode muito bem ser o pior dos últimos 500 anos”, relata Copernicus, o programa de observação da Terra, da Agência Espacial Europeia, da UE, que “observa o nosso planeta e o seu ambiente para benefício de todos os cidadãos europeus e presta serviços de informação».

A agência europeia explica que o episódio de seca de 2022 “é atribuível a uma grave e persistente falta de precipitação, combinada com uma sequência de repetidas ondas de calor que afetaram a Europa de maio a outubro”.

Simplificando, os extremos climáticos na Europa não são consequência da guerra na Ucrânia, e já existiam muitos anos antes do início do conflito, com a invasão da Rússia ao vizinho em fevereiro de 2022.

Independentemente disso, os cidadãos europeus agora estão ouvindo sobre os efeitos devastadores dos extremos climáticos em seu próprio rico continente, que é um dos principais contribuidores mundiais da atual emergência climática.

As emergências climáticas são um problema apenas para regiões empobrecidas?

Até agora, os severos impactos dos extremos climáticos na África e em outras regiões empobrecidas eram notícia de tempos em tempos, mostrando breves vídeos de seres humanos errantes e desertos, antes das análises em profundidade das últimas partidas de futebol ou sobre o novo amigo de algum pop star. E acidentes de trânsito ou uma briga entre gangues de jovens.

Os cidadãos ocidentais também estão acostumados a ouvir que o número assombroso de pessoas passando fome (mais de um bilhão de seres humanos), principalmente na África Oriental devido a longos anos de seca recorde, vem sendo causado pela guerra da Ucrânia ou que sua situação se agravou por conta dela.

Agora, os cidadãos europeus se dão conta de que também sofrem as consequências das mudanças climáticas, que provoca cada vez mais vítimas humanas, econômicas e ambientais.

Como é possível que esses impactos agora sejam notícia?

Uma resposta rápida é que tais extremos climáticos, ondas de calor, secas severas, escassez de água e produção de alimentos vêm causando danos crescentes e cada vez maiores às corporações privadas, assim como as atividades agrícolas de pequeno e médio porte. Em suma, prejudicando seus bolsos.

Veja o que a própria UE (União Europeia) diz oficialmente no nível macro:

– Riscos relacionados ao clima e ao clima, como temperaturas extremas, chuvas intensas e secas, representam riscos à saúde humana e ao meio ambiente e podem causar perdas econômicas substanciais.

– Entre 1980 e 2021, os eventos meteorológicos e climáticos extremos representaram um valor estimado de 560 bilhões de euros (valores de 2021), o equivalente atual a 618 milhões de dólares.

– Os fenómenos hidrológicos (inundações) representam mais de 45% e os eventos meteorológicos (tempestades, incluindo descargas atmosféricas e granizo, juntamente com movimentos de massa) representam quase um terço do total.

– Relativamente aos fenómenos meteorológicos, as ondas de calor são responsáveis por mais de 13% das perdas totais, enquanto os restantes +/- 8% se devem a secas, incêndios florestais e ondas de frio.

– Os perigos mais caros no período 1980-2021 incluem as inundações de 2021 na Alemanha e na Bélgica (cerca de € 50 bilhões), as inundações de 2002 na Europa central (mais de 22 bilhões de euros). A seca e a onda de calor de 2003 na UE (cerca de 16 bilhões de euros), a tempestade Lothar de 1999 na Europa Ocidental e as inundações de 2000 na França e na Itália (ambas acima dos 13 bilhões de euros), todas em valores de 2021.

Veja Também:  Contrastes e desigualdades em torno de um rio nas terras áridas brasileiras

– Um número relativamente pequeno de eventos é responsável por uma grande porcentagem de perdas econômicas: 5% dos eventos meteorológicos e climáticos com as maiores perdas são responsáveis por 57% das perdas e 1% dos eventos causam 26% das perdas (cálculos do European Agência Ambiental, com base no conjunto de dados original).

Isso resulta em alta variabilidade de ano para ano e dificulta a identificação de tendências. No entanto, as perdas anuais médias (a preços constantes em euros, 2021) foram de cerca de 9,7 bilhões na década de 1981-1990, 11,2 bilhões entre 1991-2000, 13,5 bilhões em 2001-2010 e 15,3 bilhões em 2011-2020.

– O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) prevê que eventos climáticos extremos se tornarão mais frequentes e severos em todo o mundo. Isso pode afetar vários setores e causar falhas sistêmicas em toda a UE, levando a mais perdas econômicas.

– Apenas 30% das perdas totais foram seguradas, embora esse número varie consideravelmente entre os países, de menos de 2 % na Hungria, Lituânia e Romênia a mais de 75% na Eslovênia e na Holanda.

Também a nível médio e micro

A maioria das cooperativas, sindicatos e associações agrárias de pequeno e médio porte dos países europeus mais afetados pelas secas levantaram seus protestos públicos, exigindo que seus governos os compensassem pelas grandes perdas de suas safras.

No caso específico da Espanha, os sindicatos agrícolas e as cooperativas agroalimentares registram perdas de safras de até dois terços do previsto.

Voltando a Copérnico

A “seca histórica” afetou a Europa, conforme evidenciado pelo Indicador Combinado de Secas do Observatório Europeu de Secas do Copernicus Emergency Management Service para o primeiro período de 10 dias de setembro de 2022.

A este respeito, Copernicus relata as seguintes conclusões:

– Ondas de calor: 2022 foi também caracterizado por ondas de calor intensas, e em algumas zonas prolongadas, que afetaram a Europa e o resto do mundo, quebrando vários recordes de temperatura do ar à superfície.

– Conforme relatado no Boletim do Clima de julho de 2022 publicado pelo Copernicus Climate Change Service, julho de 2022 foi o sexto julho mais quente na Europa.

As anomalias de temperatura atingiram máximas de +4ºC na Itália, França e Espanha.

De acordo com o programa Copernicus da UE:

– A seca prolongada que afetou várias partes do mundo, juntamente com temperaturas recordes, foram forças que, sem dúvida, causaram um aumento do risco de incêndios florestais, que atingiram o pico durante a temporada de verão de 2022, tanto na Europa como no outro lado da região do Mediterrâneo e em noroeste dos Estados Unidos.

– O Indicador Combinado de Secas (publicado pelo European Drought Observatory como parte do Copernicus Emergency Management Service) informou que mais de um quarto do território da UE estava em condições de “alerta” no início de setembro.

– Outro fenômeno extremo de 2022 foi a onda de calor marinho que afetou o Mar Mediterrâneo no verão passado.

Os países europeus são altamente dependentes do Mar Mediterrâneo para o transporte de mercadorias, incluindo petroleiros; turismo (um único país em suas costas, a Espanha, recebe mais de 80 milhões de turistas por ano, o dobro de sua população total); pesca industrial; as refinarias; os portos, e um longo etc. (T: MF / ED: EG)

Artigo publicado no Inter Press Service

Confira o original em inglês

Arte destacada: ONU Brasil

Tagged:

Leave comment