BAHIA: Governo presente cuida da gente

O mundo em guerra

O mundo em guerra

A atmosfera tóxica do mundo não está presente apenas no clima e outras ameaças para as novas gerações que vão habitar o planeta. O ambiente internacional mostra-se a cada dia mais irrespirável, os conflitos fazem parte do cardápio geopolítico e anunciam-se mais radicais para o futuro.

Em 2024, o mundo está marcado por diversos conflitos armados. A guerra na Ucrânia, iniciada em fevereiro de 2022, destaca-se como a mais grave crise humanitária da Europa desde a Segunda Guerra Mundial. As estimativas do número de civis que já morreram nesse conflito variam entre oito mil, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e vinte mil, de acordo com o que informa o governo ucraniano. Milhões de pessoas foram forçadas a abandonar suas casas e a economia global está a acusar os graves impactos de uma guerra em pleno território europeu.

Junto com a tragédia no Oriente Médio, onde ocorre um genocídio praticado pelas forças armadas de Israel, os diversos conflitos regionais espalhados pelo mundo acenam para o que muitos veem como o prenúncio de uma Terceira Guerra Mundial.

As ameaças

Uma frase atribuída a Albert Einstein reza que, se houver uma guerra nuclear, a próxima será com paus e pedras, pois as civilizações seriam reduzidas a um estado primitivo.

Os riscos de uma Terceira Guerra Mundial são complexos e envolvem diversos fatores interligados.

A existência de armas nucleares em diversos países, como Estados Unidos, Rússia, China, Índia, Paquistão e Coreia do Norte, representa um forte risco de conflito global. Um erro de cálculo ou um ataque nuclear acidental poderia desencadear uma guerra que seria devastadora.

As tensões geopolíticas em diversas regiões, como no Oriente Médio, Ásia Oriental e Europa Oriental, podem facilmente escalar para conflitos de maior escala, envolvendo potências internacionais com aumento das ameaças de uma guerra mundial.

A crescente dependência de tecnologias digitais torna os países vulneráveis a ataques cibernéticos sofisticados, com graves consequências económicas e sociais, e até levar a um conflito militar.

O crescimento de ideologias extremistas de direita, com ingredientes de populismo e o nacionalismo, pode levar a um aumento da militarização e a uma política externa agressiva, fazendo crescer o risco de conflitos entre países.

Os grupos terroristas internacionais, a exemplo do Estado Islâmico, podem utilizar armas de destruição em massa, nucleares ou químicas, com grande número de mortes disseminando o terror e conduzindo a uma retaliação militar.

A escassez de recursos naturais, como água e alimentos, causada pelas mudanças climáticas, pode levar a conflitos internacionais por esses recursos, com o consequente risco de uma guerra global.

O desenvolvimento de armas autônomas e letais, impulsionado pela inteligência artificial, pode levar a uma nova corrida armamentista e aumentar o risco de uma guerra acidental ou não intencional.

A proliferação de notícias falsas e propaganda online pode manipular a opinião pública e gerar desconfiança entre os países, dificultando a resolução pacífica de conflitos.

Estas são apenas algumas das ameaças de uma Terceira Guerra Mundial.

Os conflitos espalhados

Veja Também:  Lula recebe presidente da Itália e vai a convenção Boulos-Marta; MST debate eleição na Venezuela; e investigação sobre Abin ouve Ramagem

Embora a guerra na Ucrânia e a tragédia da Palestina dominem as manchetes, outros conflitos continuam em diferentes regiões, como no Oriente Médio, onde a guerra civil na Síria, que já dura mais de uma década, provocou uma crise humanitária de grandes proporções, com milhões de refugiados e deslocados internos. No Iêmen, uma guerra civil brutal alimentada por intervenções estrangeiras causa fome, doenças e devastação.

O continente africano é palco de diversos conflitos armados, como na região do Sahel, onde grupos jihadistas lutam contra governos e forças internacionais. No Sudão do Sul, a guerra civil entre facções rivais mergulhou o país na pobreza e na violência.

Na Asia, a guerra civil no Afeganistão, após a tomada do poder pelo Talibã em 2021, gera instabilidade e insegurança no país. A disputa territorial entre China e Índia na região de Caxemira também é motivo de preocupação.

No México, a guerra contra o narcotráfico se intensifica, com grupos criminosos disputando territórios e aterrorizando a população. Na Colômbia, o conflito entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) ainda não chegou ao fim, apesar do acordo de paz de 2016.

As consequências

Um documento das Nações Unidas elencou as consequências de todos esses conflitos:

Mortes e sofrimento humano: Milhares de pessoas são mortas e feridas em conflitos armados todos os anos. A guerra também causa traumas psicológicos, fome, doenças e a perda de casas e bens materiais.

Crise humanitária: Os conflitos geram milhões de refugiados e deslocados internos, que precisam de abrigo, comida, água potável e cuidados médicos. A crise humanitária coloca em risco a vida de milhões de pessoas, especialmente crianças e mulheres.

Instabilidade política e econômica: Os conflitos armados fragilizam os países, dificultam o desenvolvimento econômico e social e podem levar à radicalização e ao extremismo.

Impacto global: As guerras e conflitos armados têm repercussões em todo o mundo, como o aumento do preço do petróleo e dos alimentos, a proliferação de armas e o risco de pandemias.

O diálogo e a negociação, diz o documento da ONU, são ferramentas essenciais para alcançar a paz duradoura. Ações de prevenção de conflitos, como o investimento em desenvolvimento social e na promoção dos direitos humanos, também são fundamentais.

*Imagem em destaque: Devastação em Bucha, Ucrânia Foto: Presidência da Ucrânia/Flicr

Tagged: , , , , , ,