Imagem 1

A crise é crônica e está fragmentando a sociedade na Argentina

A crise é crônica e está fragmentando a sociedade na Argentina

BUENOS AIRES – É uma segunda-feira de manhã em abril na Rua Florida, no coração da capital da Argentina, e as pessoas reúnem-se em frente à vitrine de uma loja de eletrodomésticos para assistir a uma cena de violência de rua numa televisão que não pertence a um filme ou a uma série.

É ao vivo e acontece a poucos quilômetros, nos subúrbios pobres de Buenos Aires: colegas de um motorista da cidade morto durante um assalto atiram pedras no Ministro da Segurança da província de Buenos Aires, Sergio Berni, que tinha vindo para falar e oferecer a sua solidariedade em frente às câmeras.

Ninguém parece surpreendido entre os funcionários do escritório na audiência e vários não disfarçam uma certa satisfação por outras pessoas comuns terem decidido tomar medidas contra um representante da liderança política, alvo de um mal-estar generalizado, de acordo com todas as sondagens de opinião.

“Isto tinha de acontecer um dia destes. Os políticos recebem uma fortuna por não fazerem nada e nós trabalhamos o dia todo para ganhar uma mixaria… E ainda por cima, você vai para a rua e eles te matam para roubar”, comenta um dos telespectadores. Os restantes olham com aprovação.

O cenário reflete o clima de cansaço e tensão em amplos setores da sociedade argentina, no meio de uma longa e profunda crise económica, que nos últimos cinco anos deteriorou persistentemente o poder de compra dos salários, devido a uma inflação que ocasionalmente dá descanso por um par de meses, só para voltar mais tarde com mais força.

“Há uma crescente polarização social na Argentina, com as classes médias ficando cada vez mais fracas. Cada crise deixa uma parte da sociedade fora do sistema”: Agustín Salvia.

Se em 2022 havia lugar para um optimismo modesto, devido a uma recuperação da atividade económica na pandemia pós-Covid-19, hoje parece distante, pois o início deste ano trouxe notícias que refletem a magnitude da degradação social neste país latino-americano.

Em 31 de março, o número oficial da pobreza para a segunda metade de 2022 foi divulgado, atingindo 18,1 milhões de pessoas, ou 39,2% da população, neste país do cone sul-americano de cerca de 46 milhões de habitantes, de acordo com os números mais atualizados.

Como 2021 fechou com 37,3%, isto significa que num ano um milhão de pessoas foram lançadas na pobreza, apesar de a economia, graças à recuperação da atividade no período pós-pandêmico, ter crescido 4,9%, acima da média da região, segundo a Comissão Económica para a América Latina e as Caraíbas (CEPAL).

Mas estes dados já são antigos e os de 2023 serão piores devido à aceleração da inflação, o que é surpreendente mesmo pelos padrões da Argentina, um país bem acostumado a esta doença.

O aumento de preços em fevereiro atingiu 6,6%, excedendo a taxa anual de 100% (de março de 2022 a fevereiro de 2023) pela primeira vez desde 1991.

Talvez o pior dado seja que os preços cresceram muito mais do que a média, 9,8%, em alimentos, o item em que os menos abastados gastam quase todo o seu dinheiro.

A este quadro deve acrescentar-se uma seca extrema que afectou a colheita de soja e outros grãos, que são o maior produtor de divisas da Argentina. As estimativas de várias organizações públicas e privadas sobre quanto dinheiro o país irá perder em exportações este ano vão de 10 a 20 mil milhões de dólares.

Esta é uma das razões pelas quais o Banco Mundial, que tinha previsto um crescimento de 2% da economia argentina este ano, reviu as suas estimativas no início de Abril e concluiu que não haverá crescimento económico em 2023.

Luis Ángel Gómez, na sopa dos pobres, corre no município de San Martín, um dos mais densamente povoados da Grande Buenos Aires. Há 10 anos que fornece almoço e lanches a cerca de 70 crianças, mas ultimamente diz que também ajuda pais e avós. Foto: Daniel Gutman / IPS

Cozinhas de sopa

A cerca de 15 quilômetros do centro de Buenos Aires, no bairro de Loyola, os dados frios da economia tornam-se casas precárias separadas por corredores estreitos, pilhas de lixo nas esquinas das ruas, cães magros passeando entre crianças que brincam na rua.

Veja Também:  Aprovação de Lula cresce e rejeição cai em pesquisa Datafolha

Num reboque de caminhão com a publicidade de um político em campanha, um dentista extrai dentes gratuitamente para os residentes locais, que lutam cada vez mais para ter acesso aos serviços de saúde.

O bairro fica em San Martín, um dos municípios do chamado Conurbano, que rodeia Buenos Aires. Estes subúrbios acolhem 11 milhões de pessoas (quase um quarto da população total do país), e a taxa de pobreza é de 45%, o que é mais elevada que a média nacional.

“Nunca vi o que está se passando hoje. Antes, só os homens costumavam sair de cartonera (à procura de coisas valiosas no lixo), porque se pensava que a rua não era para as mulheres. Mas hoje em dia as mulheres também saem”, diz à IPS Luis Ángel Gómez, 58 anos, nascido e criado no bairro, que faz trabalhos de pedreiro e outros biscates.

De facto, os carrinhos dos cartoneros, que antes só eram vistos nos bairros mais densamente povoados de Buenos Aires ao pôr-do-sol, quando os gerentes dos edifícios põem os sacos de lixo para fora, são agora vistos por toda a cidade e a qualquer hora.

Uma feira de venda de roupas a preços baixos no Parque Centenário, um dos parques mais conhecidos de Buenos Aires, localizado em Caballito, um bairro tradicional de classe média em Buenos Aires. Feiras de rua deste tipo têm crescido na Argentina face à inflação persistente que está a destruir o poder de compra dos salários. Foto: Daniel Gutman / IPS

Gómez tem gerido uma sopa dos pobres em Loyola durante 10 anos, onde fornece almoço três vezes por semana e lanches duas vezes por semana a mais de 70 crianças e adolescentes. É uma sala com telhado de lata, um par de fogões a gás e fotografias de crianças sorridentes como decoração.

“O município dá-me alguns bens: 20 quilos de carne picada e dois caixotes de frango por mês. Depois disso, cozinho com donativos”, diz Gómez. “Esta caixa foi-me dada pela empresa que recolhe o lixo no município”, acrescenta ela, mostrando caixas de leite de longa duração.

A atividade da cantina, diz Gómez, não é suficiente para cobrir as necessidades dos vizinhos: “A minha preocupação sempre foi dar às crianças um futuro melhor e alimentei-as até terem 14 ou 15 anos de idade. Hoje também tenho de ajudar os pais e os avós”, comenta ele.

Os carrinhos dos cartoneros, que até há poucos anos só podiam ser vistos ao pôr-do-sol nos bairros mais densamente povoados, tornaram-se agora uma visão comum em todas as zonas de Buenos Aires a todas as horas do dia. Aqui, no bairro das Flores. Foto: Daniel Gutman / IPS

A classe média no slide

A crise acelerou desde 2018 e aprofundou-se com a pandemia, mas a Argentina tem estado num período de estagnação, com baixo crescimento económico e muito pouca criação formal de emprego privado há mais de uma década.

Um trabalho apresentado recentemente pela Universidade Católica Argentina (UCA) revela que desde 2010 o acesso à alimentação e saúde e ao emprego e segurança social piorou, apesar da assistência social, atingindo cinco milhões de lares de um total de 12 milhões.

“Há uma crescente polarização social na Argentina, com as classes médias a ficarem cada vez mais fracas. Cada crise deixa uma parte da sociedade fora do sistema”, disse à IPS o sociólogo Agustín Salvia, diretor do Observatório Social da Dívida Social Argentina da UCA, que é considerado um ponto de referência no país.

Salvia explicou que a melhoria da atividade económica após a saída da covid-19 permitiu a criação de novos empregos até ao terceiro trimestre do ano passado, mas que a pobreza aumentou da mesma forma porque eram quase todos empregos precários e de baixos salários.

“O ciclo de recuperação pós-pandêmico terminou. Desde o último trimestre de 2022 não houve mais criação de emprego, o que, somado à inflação, fará crescer a pobreza em 2023”, acrescenta Salvia.

O especialista afirma que a pobreza estrutural ou crónica costumava ser de 25 ou 30% na Argentina, mas agora estabilizou nos 40% ou 45%, com uma deterioração marcada pela estagnação do emprego de qualidade, o que empurrou muitas famílias de classe média para a pobreza.

ED: EG

Tagged: , , ,

Leave comment