Imagem 1

A mídia de e para refugiados abre caminho

A mídia de e para refugiados abre caminho

Crédito: VoP Mizana Begum

Com o Awaz-e-Dosti, a Fundação Power99 busca ajudar os jornalistas a se tornarem fontes confiáveis de informação para a mídia nacional e internacional que busca cobertura dos campos de refugiados. Mas não basta formar refugiados para se tornarem jornalistas: eles precisam de meios para se sustentarem e para o seu trabalho.

POR ANNIE PHILIP

NOVA DELHI – Quando a princípio de março um grande incêndio irrompeu em um campo de refugiados rohingya em Cox’s Bazar, Bangladesh, a Voz de Palong (VoP) não precisou enviar uma equipe de longe: seus jornalistas já estavam no próprio acampamento de refugiados de Kutupalong. De lá, eles relataram a catástrofe e compartilharam suas imagens com canais de notícias em Bangladesh.

A programação semanal dessa rádio comunitária, que transmite a partir do maior campo de refugiados do mundo, com cerca de um milhão de pessoas, é produzida conjuntamente em língua rohingya pelos refugiados da minoria muçulmana de Myanmar e da comunidade de acolhimento do Bangladesh, com o apoio da DW Akademie e do parceiro local Young Power in Social Action (YPSA).

Awaz -e- Dosti , um programa de rádio transmitido por refugiados afegãos no Paquistão, também é uma iniciativa conjunta de refugiados e uma comunidade anfitriã. Produzido em persa, pastó e dari, encontrou audiência no Afeganistão, Paquistão e outros países, segundo Fakhira Najib, diretora técnica da Foundation Power99  que ajudou a lançar o programa, em colaboração com a DW Akademie.

Essas iniciativas estão mudando as hierarquias da mídia tradicional e permitindo que as comunidades de refugiados controlem suas próprias histórias.

Conte sua própria história

A Fundação Power99 e a DW Akademie lançaram o Awaz-e-Dosti depois de realizar um estudo interno que revelou que havia pouca cobertura dos refugiados afegãos na mídia paquistanesa.

“Isso pode ser devido às dificuldades de acesso da grande mídia, já que são necessárias autorizações para trabalhar nos campos de refugiados”, explica Najib.

“Identificamos pessoas interessadas em rádio e ajudamos a capacitá-las. Eles são os melhores em identificar fontes e contar suas próprias histórias. Os programas ajudam a levar as notícias de dentro dos campos para o mundo exterior”, complementou.

Um dos apresentadores do Awaz-e-Dosti, Bilal Danish, 25, concorda: “Quero servir minha comunidade por meio do jornalismo”. Danish é um refugiado afegão cuja família se mudou para o Paquistão há duas gerações, durante a invasão soviética de seu país.

Um de seus relatórios, sobre um paciente com câncer no campo de refugiados de Haripur, inspirou outros a oferecerem ajuda. O dinamarquês também informou sobre o contrabando de refugiados afegãos e o deslocamento climático, cobertura que ele espera que seja captada por veículos afegãos mais amplos, como TOLOnews e Pajhwok Afghan News.

A jornalista da comunidade VoP Mizana Begum, 18 anos, fugiu de Mianmar com sua família em 2017 após a campanha militar contra os rohingya.

Do que ela mais se orgulha é a reportagem sobre pequenos negócios administrados por refugiados, que incentivou seu jovem vizinho a abrir um negócio para se defender sozinho. Ela também cobriu o incêndio do Cox’s Bazar, ampliando as histórias das pessoas afetadas pelo desastre.

Veja Também:  Unidos pelo Orgulho: A luta global por direitos e inclusão LGBTQIA+

“Nossa singularidade é que o VoP é para, pela e da comunidade”, diz Shihab Jishan, diretor de VoP da YPSA. “O programa de rádio atende aos rohingya e às comunidades anfitriãs em Bangladesh. Essa é a abordagem”, acrescenta.

Crédito: A Voz de Palong

Reportes construtivos

Tanto o VoP quanto o Awaz-e-Dosti priorizam o jornalismo construtivo e baseado em soluções.

“Nossas histórias constroem pontes entre as comunidades de acolhida e a de refugiados. Nosso trabalho tenta reduzir a possibilidade de conflito”, diz Jishan. «Fizemos uma cobertura sobre os torcedores comuns de futebol durante a Copa do Mundo. E uma reportagem que fizemos sobre a crise hídrica no campo fez com que as ONGs dessem soluções”, aponta.

Outro jornalista da comunidade VoP, Jahid Hossain, 22, relatou o Projeto Piloto Curricular de Mianmar , um programa educacional baseado no currículo nacional do país. Refugiado rohingya, Hossain fugiu de Mianmar em 2017. Ele agora trabalha na estação de rádio do campo de refugiados.

Da mesma forma, uma reportagem do Awaz-e-Dosti sobre a falta de aulas para alunos mais velhos na escola local inspirou a comunidade a reformar uma sala antiga e contratar uma professora para que as crianças refugiadas afegãs – principalmente meninas – pudessem continuar seus estudos.

“Trabalhamos com histórias de esperança, resiliência e coesão social, não sensacionalismo”, diz Najib.

Bilal Danish da Awaz-e-Dosti. Credito: Awaz -e- Dosti

 

Construir capacidade

VoP e Awaz-e-Dosti ajudaram seus jornalistas a adquirir importantes habilidades profissionais. “Antes de ingressar na VoP, eu tinha uma visão negativa da televisão e do rádio, vindo de uma formação conservadora”, diz Hossain.

“Depois de trabalhar aqui, vejo como informações corretas podem até salvar vidas, como informações sobre vacinação. Mudou a minha vida”, acrescenta.

Danish diz estar satisfeito por ter recebido treinamento, inclusive em edição de áudio e vídeo, acrescentando que também aprendeu a incorporar jornalismo construtivo em suas reportagens.

Begum também cresceu profissionalmente em seus sete meses no VoP. “Eu era tímida antes, mas agora aprendi muitas coisas novas: como fazer entrevistas, vox pops e muito mais”, diz ela.

“Minhas habilidades de comunicação melhoraram. Também aprendi a lidar com o estigma social em torno das mulheres que trabalham fora de casa na comunidade rohingya”, diz ela.

O desafio da sustentabilidade

Com o Awaz-e-Dosti, a Fundação Power99 busca ajudar os jornalistas a se tornarem fontes confiáveis de informação para a mídia nacional e internacional que busca cobertura dos campos de refugiados.

Mas não basta formar refugiados para se tornarem jornalistas: eles precisam de meios para se sustentarem e para o seu trabalho.

No Paquistão, a equipe não pode trabalhar em tempo integral devido à condição de refugiada. Eles só podem ser voluntários, explica Najib. Em Bangladesh, os refugiados rohingya não têm status legal. Isso também os impede de trabalhar e restringe sua movimentação e seu acesso à educação e à saúde.

A mídia dirigida por refugiados terá que enfrentar esses desafios no futuro.

Este artigo foi originalmente publicado na Ijenet , a rede internacional de jornalistas.

VR: GE

Tagged: ,

Leave comment