BAHIA: Governo presente cuida da gente

Arábia Saudita é acusada de ‘lavagem esportiva’ em seu histórico de direitos humanos

Arábia Saudita é acusada de ‘lavagem esportiva’ em seu histórico de direitos humanos

Se você viu recentemente uma manchete sobre a Arábia Saudita, há uma boa chance de que a notícia seja relacionada a esportes.

POR PAULO VIRGEM

ROMA – O atacante argentino Lautaro Martínez marca o gol com que o Inter de Milão vence o Nápoles na capital saudita, Riad, e conquista a Supercopa da Itália pela terceira vez consecutiva.

O grande futebolista Cristiano Ronaldo volta a marcar pelo Al Nassr, da Liga Profissional Saudita.

O inglês Tyrrell Hatton torna-se a última estrela do golfe a se inscrever no circuito rebelde LIV (54 em algarismos romanos), apoiado pela Arábia Saudita.

O World Snooker Tour anuncia um primeiro evento televisionado na Arábia Saudita em março, com a participação do heptacampeão mundial Ronnie O’Sullivan e do atual detentor do título mundial Luca Brecel, além de uma mudança nas regras que permitirá aos jogadores obter uma pontuação máxima de 167, em vez do tradicional 147.

Se você viu recentemente uma manchete sobre a Arábia Saudita, há uma boa chance de que a notícia seja relacionada a esportes. Nos últimos anos, o governo saudita investiu milhares de milhões de dólares das receitas do petróleo no esporte, incluindo tênis, golfe, boxe e, o mais importante, futebol.

Tomado literalmente, é uma forma de o reino desperdiçar a sua enorme riqueza em espetáculos luxuosos e, neste processo, de aumentar o seu Produto Interno Bruto (PIB).

Os críticos, porém, veem algo mais sinistro.

A organização humanitária internacional Human Rights Watch (HRW) afirma que a política foi concebida principalmente para “lavar esportivamente” a reputação da Arábia Saudita, ao acolher grandes eventos esportivos que atraem a atenção generalizada e positiva da mídia, para desviá-la dos abusos dos anfitriões.

Afirma, também, que ao se tornar o país onde atuam craques como o português Ronaldo e o brasileiro Neymar, e sediar eventos como o Real Madrid contra o Barcelona na Supercopa da Espanha, é mais fácil esquecer Jamal Khashoggi, o jornalista brutalmente assassinado no consulado saudita em Istambul, em 2018, e os seus colegas presos, censurados ou assediados na Arábia Saudita.

Também ajuda a não pensar nos direitos das mulheres e das pessoas LGBTI no reino ou ignorar os assassinatos em massa de migrantes ao longo da fronteira saudita com o Iémen.

“O esporte reúne torcedores de todo o espectro político e, com algumas exceções, como quando seleções de países rivais competem entre si, é muitas vezes um território apolítico”, disse à IPS Claudio Francavilla, diretor associado de defesa dos direitos humanos na UE.

São considerados parte da indústria do entretenimento e atraem mídia, patrocinadores, turistas e potenciais investimentos.

“Quando um governo abusivo organiza um grande evento esportivo para fins de lavagem esportiva, o seu objetivo é concentrar a comunicação social, os patrocinadores e o público no jogo, muitas vezes precedido e seguido por cerimônias de abertura e encerramento chamativas”, analisa.

Em consequência, o governo anfitrião é promovido “como um país aberto e avançado, ideal para se visitar e fazer negócios. Tudo, exceto os abusos em direitos humanos, que permanecem escondidos da esfera pública e do debate”, acrescenta.

“Em outras palavras: olhe para a bola, olhe para os fogos de artifício, esqueça os abusos”, diz Francavilla.

Em maio, ativistas e intelectuais sauditas de direitos humanos publicaram o documento “Uma Visão Popular para a Reforma da Arábia Saudita”, apelando para a libertação de todos os presos políticos; o respeito pelos direitos à liberdade de expressão e associação; a defesa dos direitos de mulheres, migrantes e minorias religiosas; a abolição da tortura e da pena de morte; a reforma do sistema judicial e a redistribuição da riqueza do país.

A HRW afirma que, em vez de cumprirem suas obrigações em matéria de direitos humanos e de dialogarem com a sociedade civil, as autoridades sauditas continuam reprimindo a dissidência e investindo em campanhas e eventos que mancham a sua reputação.

Assegurados os direitos de acolher a EXPO 2030 e os Jogos Asiáticos de 2034, o governo saudita poderá em breve obter os direitos de sediar o Campeonato Mundial Masculino de 2034 e – vergonhosamente, tendo em conta o tratamento dado pelo país às mulheres – candidatou-se ao Campeonato Mundial Feminino de 2035.

A Arábia Saudita não é o único país que se dedica com entusiasmo a lavar a sua imagem com o esporte.

“Os casos recentes mais notáveis ​​são a Copa do Mundo de 2018, na Rússia; e as Olimpíadas de Inverno de 2022, na China”, lembra Francavilla.

Ele cita como outros exemplos notáveis ​​a compra do clube de futebol inglês Manchester City pelos Emirados Árabes Unidos, caracterizada como lavagem esportiva; o Grande Prêmio de Fórmula 1 do Bahrein; e a aquisição saudita do também clube de futebol da Inglaterra, Premier League Newcastle United.

A lavagem de imagens esportivas nem sempre tem o efeito desejado.

Antes da recente Supertaça de Espanha em Riade, o Barcelona alertou os seus adeptos sobre potenciais “penalidades severas” relativamente às relações entre pessoas do mesmo sexo e “demonstrações abertas de apoio às causas LGBTI, mesmo nas redes sociais”, chamando assim a atenção para a questão.

A Copa do Mundo Masculina de 2022, no Catar, destacou os graves abusos sofridos pelos trabalhadores migrantes naquele país.

Pode-se argumentar que a Arábia Saudita apenas está utilizando o esporte, da mesma forma que competições como o basquete da NBA e o futebol da Premier League há muito fazem parte do soft power dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, em nada imaculados em matéria de direitos humanos.

Dito isto, embora a Human Rights Watch não classifique os países no seu relatório anual sobre abusos; em todo o mundo, outras organizações, como a RSF com o seu Índice de Liberdade de Imprensa, o fazem e classificam países como a China, a Rússia, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein e a Índia, consideravelmente abaixo do Reino Unido e dos EUA.

“A utilização deliberada de eventos esportivos por governos com registos péssimos em termos de direitos humanos, para lavar a sua reputação esportiva em vez de promulgar reformas de direitos humanos, que fariam o mesmo trabalho, mas de forma muito mais eficaz e impactante, e provavelmente a um custo econômico muito menor, é particularmente desprezível”, aponta Francavilla.

Ele apela às federações esportivas, especialmente à FIFA, entidade que governa o futebol mundial, a assumir a liderança na redução deste fenômeno, seja quem for o culpado.

“Em Junho de 2017, a FIFA adotou e publicou a sua Política de Direitos Humanos declarando que os compromissos em matéria de direitos humanos são vinculativos para todos os órgãos e dirigentes da FIFA”, conta.

“A Human Rights Watch há muito apela para que a FIFA aplique critérios claros e objetivos de direitos humanos a todos os países que sediam a Copa do Mundo masculina e feminina e outros torneios, e para quaisquer patrocínios comerciais importantes, incluindo proteções laborais, liberdade de imprensa, não-discriminação e inclusão.

“Dada a corrupção passada e os graves abusos dos direitos humanos, incluindo a discriminação contra pessoas LGBT e as mortes inexplicáveis ​​de milhares de trabalhadores migrantes que construíram a infraestrutura para a Copa do Mundo de 2022, a Human Rights Watch solicitou à FIFA que aplicasse uma série de medidas para a Copa do Mundo de 2030 e Candidaturas à Copa do Mundo de 2034.

“Essas medidas seriam aplicadas a qualquer licitante, seja os EUA, o Reino Unido, a China ou a Arábia Saudita”.

Artigo publicado originalmente na Inter Press Service.


FOTO DE CAPA: O astro do futebol mundial Cristiano Ronaldo, após marcar um gol pelo Al Nassr da Saudi Pro League. O governo da Arábia Saudita investiu milhares de milhões de dólares das receitas do petróleo no esporte, incluindo tênis, golfe, boxe e, acima de tudo, futebol, no que é visto como uma campanha de lavagem de imagem através do esporte. Imagem: Shutterstock

Tagged: , ,

Leave comment